O estado de Pernambuco foi o segundo que mais perdeu postos de trabalho no mês de maio, segundo estudo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Ao todo, foram extintas 2.402 vagas, devido ao desempenho negativo da Construção Civil, que foi responsável pela redução de 4.395 empregos no Estado.

Alagoas ficou com o primeiro lugar, perdendo 3.453 postos, também por influência da Construção Civil, que extinguiu 1.866 empregos. Além destes, mais oito estados registraram queda no número de postos de trabalho. Outros 17 tiveram acréscimo de vagas, com destaque para Minas Gerais (+25.916 postos), São Paulo (+22.434 postos) e Paraná (+9.713 postos).

Em nível setorial para o País, o desempenho positivo ficou por conta da agricultura (+33.825 postos ou +2,13%), do setor de serviços (+21.154 postos ou +0,13%), e da Indústria de Transformação (+15.754 postos ou +0,19%). A Construção Civil foi o setor que apresentou declínio no mês (-1.877 postos ou -0,06%), comportamento esse que pode ser atribuído em parte ao encerramento de obras ligadas à Copa. O Comércio apresentou uma relativa estabilidade no mês (+36 postos ou 0,0o%).

PROPAGANDA ENGANOSA

Enquanto os núneros do Caged apontam uma realidade não muito animadora para os pernambucanos, no interior do Estado o governo investe pesado num propaganda otimista da gestão. Em todas as emssoras de rádio, por exemplo, dezenas de spot são veiculados diariamente com a frase : “O futuro a gente faz agora”- mostrando um viés progressista do governo socialista.

Farol com informações do Blog da Folha

Compartilhe isto: