Por Jorge Apolônio, membro da Academia Serra-talhadense de Letras e colunista do Farol

Publicado às 04h48 desta segunda-feira (26)

Mesmo com Lula, Dilma, a máquina da União e o dinheiro do petrolão, nas eleições de 2014, quando ainda tinha algum prestígio, o PT não conseguiu eleger ninguém em Pernambuco para a esfera federal.

Para a assembléia legislativa, com quadro de 49 cadeiras, só conseguiu eleger 3 deputados: Odacy Amorim, Manoel Santos e Teresa Leão. Como se não bastasse a tragédia do partido, Manoel Santos morreu, e quem assumiu foi Manoel Botafogo, suplente de outro partido, o PDT.  Nas condições em que se encontra hoje e sozinho, o PT não elegerá ninguém este ano em Pernambuco e em vários estados. Em 2014, NÃO elegeu senadores e deputados federais também no Amazonas, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Norte e Tocantins. Seis estados ao todo.

Humberto sente e sabe que o melhor momento do PT já passou, que o partido está em decadência vertiginosa, que a tendência é o partido sumir. As eleições de 2016 deixaram isso escancarado. Ele sabe que a candidatura ao cargo de governador da vereadora Marília Arraes não tem competitividade, não tem voto. É apenas um arroubo da juventude ou estratégia política dela para tentar se cacifar e emplacar, no máximo, um mandato de deputada federal.

Então, o que Humberto imagina fazer? Aliar-se ao partido que está no poder, que tem a máquina do estado e, por acaso, tem a mesma linha ideológica. Aproveitar a última oportunidade de coligação porque, a partir de 2020, nem essa opção terá, pois isso não será mais permitido aos partidos.

Aliar-se também porque Lula já entregou o PT/PE ao PSB/PE. O governador Câmara foi a São Paulo com Renata Campos pedir vergonhosamente e obteve a bênção de Lula, um bandido condenado e com prisão marcada para os próximos dias. O governador não teve o menor constrangimento. Isso já diz muito do seu caráter. Tão jovem e já tão velho…

Quem do PT/PE seria contra essa união? Os que ousam a candidatura própria ao governo, entre eles, a própria Marília e… quem? Quem? Quem? Luciano Duque. A maior expressão municipal do PT em Pernambuco.

Mas a realidade mostra que o fogo desses dois é de palha. Não vai longe. Está com os dias contados. Eles próprios sabem disso, mas pagam para ver até onde podem chegar. E como fica a relação desses dois com Humberto? O senador irá tentar fazer os dois admitirem o óbvio que, por sinal e por ser óbvio, eles já sabem. É um jogo de cenas que logo terá fim.

E como fica a situação de Humberto? Bem… este senador de desempenho decepcionante e constrangedor  — como tantos — não renovará o mandato em 2018. No máximo, poderá ser eleito deputado federal valendo-se de coligações. E olhe lá. O PT tem 9 senadores. Sete destes terminam o mandato este ano e, no máximo, dois conseguirão ser reeleitos: Jorge Viana (AC) e Paulo Paim (RS).  Em 2014, o PT só elegeu dois senadores:  Fatima Bezerra (RN) e Paulo Rocha (PA). O PT não merece Pernambuco, não merece o Brasil. Acorda, povo!

Compartilhe isto: