Foto: Farol de Notícias / Manu Silva

Nesta sexta-feira (28), os sindicatos esperam reunir cerca de 2 mil manifestantes nas ruas de Serra Talhada durante o ato contra as reformas do governo Michel Temer. O protesto é nacional, e em todo o estado diversos serviços serão paralisados. Em Serra Talhada, o comércio e as instituições privadas deverão funcionar normalmente. Os serviços públicos de saúde em todo o estado manterão apenas as emergências e urgências.

Em entrevista ao FAROL DE NOTÍCIAS, a comissão de representantes da manifestação formada pelos vereadores Sinézio Rodrigues e Francisco Pinheiro; o presidente do PT, Júnior Moraes, o presidente do SRT, Flaviano Marques e Josiêda Pereira, integrante do Sindicato da Saúde de PE; informou que a manifestação quer “derrubar o texto base das reformas para rediscutir com os trabalhadores”.

“Não só como vereador, mas como servidor público federal, eu sei que essas reformas veem para afetar diretamente o trabalhador e não podemos ser mais sacrificados do que já somos”, explicou Pinheiro. Ainda segundo Flaviano Marques, todas as comunidades rurais da cidade foram mobilizadas e devem mandar representantes. Josiêda Pereira avisou que as consultas em hospitais públicos marcadas para amanhã em Recife não serão realizadas.

Além do Sintest, Sintepe, Fetape, MST e STR, apoiam do ato, tais como o OAB, Correios, Sindicato dos Bancários, o Levante da Juventude, UEP, UEST, Coletivo Fuáh, Movimento Diverso, D.A. de Pesca, Movimento Mudança, Marias do Pajeú, Coletivo Maria Bonita e o Núcleo de Direitos Humanos da UFRPE/Uast.

A partir das 8h os manifestantes se reunirão na sede da Fetape, na rua Padre Romão Ferraz, de onde sairão em passeata pelas principais ruas da cidade, seguindo até a Previdência Social e depois a Câmara de Vereadores, onde acontecerá uma audiência pública para debater a reforma trabalhista e da Previdência.

Compartilhe isto: