Por Manu Silva, professora, militante do Coletivo FUÁH, Movimento Diverso e repórter/redatora do Farol de Notícias

Publicado às  )5h32 desta quarta-feira 13)  – Fotos: Farol de Notícias / Manu Silva

Passados alguns dias das polêmicas envolvendo o concurso Miss Serra Talhada 2018, o sangue dos serra-talhadenses mais apaixonados já deve ter esfriado. Agora é hora de pensar no que é de mais valia: um pentacampeonato no Miss Pernambuco para a Capital da Beleza Feminina ou a eterna insatisfação com uma menina natural de Salgueiro?

A miss eleita é apenas uma jovem com um sonho, assim como todas que estiveram no certame. Em entrevista ao programa Farol de Notícias, da rádio Vila Bela FM, no último sábado (9), Rafaela Lopes se mostrou madura e consciente das críticas que receberia dos serra-talhadenses.

“Eu já sabia. Se chegasse a ganhar, por conta da minha cidade natal. As pessoas de Salgueiro também ficaram na expectativa de porque em Serra Talhada e não em Salgueiro. Serra Talhada me abriu portas que a minha cidade não abriu”, declarou. A jovem tem a elegância e leveza das misses que fazem parte do nosso imaginário.

Em suas entrevistas Rafaela tem se mostrado profissionalmente grata a Serra Talhada, porque os anfitriões agora devem lhe negar apoio e direito de representar a cidade no concurso estadual? Acredito que o título, que Rafaela tem chances reais de trazer a cidade, virá para o orgulho de todos os serra-talhadenses.

Se as disputas esportivas e sócio-políticas permanecerem entre Serra e Salgueiro, paciência. Mas, nós é que nos intitulamos a Capital da Beleza Feminina, berço do xaxado, um dos principais centros comerciais da região, parada importante da música alternativa e de efervescência social. É aqui que jovens de todo o estado estão vindo construir suas vidas. Já temos muito do que se orgulhar, somos uma cidade de oportunidades.

Rafaela convidou os serra-talhadenses a deixar as polêmicas de lado e se juntarem a ela e a RD Produções na conquista do Miss Pernambuco, em março de 2018. Acredito que esse convite precisa ser reiterado, devemos abrir mão do ufanismo exagerado para dar lugar a alegria e a beleza de ver a cidade brilhando nas passarelas.

Até que ponto as tradições e conservadorismos não devem dar espaço e saber conviver com o novo? Sou a favor das transformações. As duas últimas misses Brasil são negras, o Miss Universo cobra das candidatas engajamento social. Os concursos estão em outro nível, a rixa é irrelevante. Sucesso Rafaela Lopes, nos traga o pentacampeonato.

Compartilhe isto: