Por Jorge Apolônio, policial federal e membro da Academia Serra-talhadense de Letras (ASL)

Publicado às 05h15

E mais uma Festa de Setembro passou… para a felicidade dos serratalhadenses. É hora de fazermos uma reflexão para sabermos em que poderíamos melhorá-la.

A festa teve a sua 227ª edição e começou essencialmente como evento religioso para celebrar Nossa Senhora da Penha, padroeira de Vila Bela, que depois se tornou Serra Talhada, e assim foi por quase 200 anos. Prestem atenção: DUZENTOS ANOS!!!!

Aproximando-se dos 200 anos, a festa, que era essencialmente religiosa, sacra, começou a ter também seu lado profano. A parte sacra não mudou essencialmente quase nada, mas a profana…

As lembranças que se têm da profana, já ali por volta dos anos 1970, são de uma praça Sérgio Magalhães ocupada de um lado pelo Parque Lima e do outro por barracas de madeira e palhas de coqueiro, cada uma com sua vitrola tocando sua própria música, o que tornava a praça uma verdadeira Babel. Vários bodes amarrados na praça aguardando o abate. Quando um se soltava, era uma baita confusão.

Quem não ficava sentado nas barracas bebendo ou se divertindo no Parque Lima ficava girando na praça para ver a todos e mostrar sua roupa nova. Outros ficavam jogando pebolim, tamanco, argolas, bingo, praticando tiro ao alvo, comendo maçã melada, vendo Monga (a moça que virava macaco) etc. Depois de meia noite, quem tinha condições ia ao baile do CIST ou do Batukão.

A cidade cresceu e, em 40 anos, a festa profana mudou radicalmente. Primeiro, unificou-se o som no coreto, acabando com as diversas vitrolas e a Babel. A festa ficou menos barulhenta, foi uma evolução. Vieram as barracas metálicas com lonas plásticas.

Depois, veio o palco em cima do calçadão da Jurandir Pires. A festa passou a receber shows. Na sequência, vieram os camarotes. A população foi aumentando. A praça foi ficando apertada. O parque foi para a rua dos Correios. O CIST e o Batukão fecharam.

Chegou-se a um ponto em que a praça Sérgio Magalhães não comportava mais a festa. Apesar dos protestos dos conservadores, a festa foi transferida sensatamente para a lagoa Maria Timóteo, ficando na praça a essência romântica da festa com a passagem da banda musical, a barraca da santa e algumas outras, além de um palco simples para apresentações chamadas “culturais”.

Em poucos anos, a lagoa também ficou pequena, e a festa profana foi transferida neste 2017 para o parque de eventos Waldemar Oliveira. Bem estruturada, com dois palcos e duas filas de camarotes, cada fila com dois andares, além de um pátio que acomoda folgadamente 40 mil pessoas, a festa foi um sucesso. Parabéns aos organizadores.

No parque de eventos Waldemar Oliveira, em que poderíamos melhorar? Bem… essa festa custa caro ao município. Já é hora de se cobrar de R$ 3,00 a 5,00 pela entrada. Com a festa sendo paga, é possível contratar os artistas que o povão quer, e o município não pode. É chegada a hora de privatizar a FESTA DE SETEMBRO. Quem compra o camarote paga caro e não reclama. Outra coisa: é preciso administrar com eficiência a saída dos veículos do pátio pela BR 232 no fim dos shows.

Na praça Sérgio Magalhães, em que poderíamos melhorar? A festa ali deve continuar gratuita e tentar preservar a essência da FESTA DA PADROEIRA. Outra coisa: ainda que sejam trazidas atrações de fora, ali é preciso dar prioridade aos artistas locais. É claro que estes precisam ser selecionados para que apresentem shows de bom nível à altura do evento.

Como se vê, existem duas festas simultâneas e distintas: A FESTA DE SETEMBRO e a FESTA DA PADROEIRA. Como se sabe, o dia sete de setembro é o dia mais feliz para o serratalhadense. Tudo começa com o desfile.

Compartilhe isto: