O tempo esquentou durante a sessão ordinária realizada nessa segunda-feira (14) na Câmara Municipal de Serra Talhada (CMST). O estopim dos debates foram a aprovação dos contratos temporários enviados pelo prefeito Luciano Duque e o alvo das críticas foi o vereador Siinézio Rodrigues, em rota de colisão com o governo.

Em determinado momento da sessão,  o líder da Oposição, Gilson Pereira (PSD) mirou sua ‘metralhadora giratória’ para o vereador-sindicalista.

“O senhor Sinézio aprovou as seis leis de contratações que Luciano Duque mandou para esta casa. Não entendo sua posição quanto a previdência. Pois os contratados não contribuem para a previdência municipal mas para o Regime Geral de Previdência (RGP)”, declarou Pereira. O vereador petista, chegou minutos após o discurso do oposicionista e não deixou a provocação em branco.

“O nobre Gilson Pereira fez alguns comentários quanto a minha pessoa. Entretanto, quero dizer que os contratos que foram aprovados foram de interesse público. Não podia impedir a contratações de professores e médicos para os trabalhadores”, disse Rodrigues, arrematando: “Este vereador aqui foi homem suficiente para dizer na tribuna que era necessário a realização de um concurso público sério”. O aparte veio logo em seguida, quando o vereador Gilson Pereira interrompeu o petista.

“Vereador Sinézio, esse dinheiro (das contratações) foi parar aonde? Na previdência própria ou na previdência geral?”, questionou. Mas o vereador Sinézio Rodrigues encerrou o debate alfinetando o líder da oposição. “Os que hoje me criticam usaram do poder que tinham para pedir a CPI da Previdência? Não! Fui formado numa escola que não me permite agir de má fé ou denegrir ninguém”, finalizou Rodrigues.

Veja também:   Polícia apreende lote de armas em ST; houve reação