Vários moradores sorteados no programa Minha Casa, Minha Vida do Governo Federal em Serra Talhada visitaram suas futuras residência, nesta segunda-feira (18), preocupados com um protesto que deveria acontecer nesta manhã, e anunciado em emissoras de rádio da cidade. “Eu ouvi no rádio que ia haver um protesto aqui, e tive medo do pessoal querer invadir a minha casa”, relatou a doméstica Maria Timóteo Batista da Silva, 50 anos, que hoje vive no bairro da Cagep.

A doméstica chegou ao conjunto ao lado de outra moradora, Vanderlânia da Silva, 26. Debaixo da sombra de uma algarobeira, elas esperaram de longe por cerca de 30 minutos, em pé, para ver se algum protesto se desenhava no local. “Se aparecesse alguém, meu medo era de quererem invadir o conjunto. Eu ia correr pra proteger a minha residência”, contou Vanderlânia, preocupada. Até 10h30 desta manhã, não houve qualquer sinal de mobilização. “Não tivemos protesto algum”, relatou um dos seguranças do conjunto.

“CORRI PRA NINGUÉM TOMAR O QUE É MEU”, DESABAFOU MARIA DA SILVA, MOSTRANDO DOCUMENTO QUE LHE GARANTE UMA CASA PELO PROGRAMA DO GOVERNO FEDERAL

Mesmo assim, diversos moradores sorteados se deslocavam – a maioria teve que fretar mototáxis – para investigar se o boato de protesto era verdade. “O problema todo que é tínhamos a notícia que a presidente Dilma iria entregar as casas hoje (segunda, 18) e não vem mais. Estamos ansiosos. Queremos alguma satisfação. Com Dilma ou sem Dilma quero receber”, reclamou Maria Timóteo Batista.

FIQUE POR DENTRO

A Caixa Econômica Federal (CEF) optou pelo adiamento visando a entrega de 100% das residências referentes ao primeiro loteamento, constantes no projeto Poço da Cruz 1 e 2, com 899 casas. Até então, apenas 622 famílias beneficiadas estão sem qualquer pendência nos cadastros, e portando, aptas a receber as novas moradias.

Veja também:   Acidente mata jovem na PE-365 entre Serra Talhada e Triunfo

A mudança de data, segundo a coordenação do programa Minha Casa, Minha Vida em Serra Talhada, representa um alerta para as famílias que estão com documentação em atraso ou precisam regularizar dados. A previsão de repasse das casas foi transferida para o mês de março.