Após o retorno da presidente Dilma Roussef ao “reino encantado” de Brasília (DF), a terra onde jorra leite e mel, passei algumas horas meio macambúzio tentando entender que diabos a presidente veio fazer no Nordeste. Explico: ela  esteve reunida com os governadores nordestinos, em Salvador, na última sexta-feira (9), onde anunciou um “pacote de bondades” no valor de R$ 1,8 bilhão para o combate a seca, dos quais, R$ 242 milhões são para Pernambuco. Isto, se a burocracia e outros meios que até Deus duvida, não travarem esta dinheirama no meio do caminho.

Ora, só posso acreditar que a presidente petista veio apenas para fazer jogo de cena e pose para os jornais. Em Pernambuco, 122 municípios estão em Estado de Emergência há mais de um ano. Boa parte das cidades já sofrem com o colapso no abastecimento d’água e cerca de 200 mil reses morreram de fome, provocando uma queda de 30% na produção leiteira, sem terem comido um grão de milho da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

Nos distritos e povoados do semi-árido, a água já se transformou num bem de alto luxo. Os sonhos foram substituídos por lamentos e não há “bolsa-esmola” que traga de volta a esperança ao cotidiano do sertanejo. O mais curioso, em meu ponto de vista, foram algumas frases ditas pela presidente Dilma Roussef, que atestam o total desconhecimento de tudo que está acontecendo conosco. Vejamos as “pérolas” da presidente.

1-“O País tem todos os recursos para enfrentar a seca”. Então, pergunto: Por que estes recursos não foram liberados em tempo hábil, se a tecnocracia sabia do mal que estava por vir?

2- “Não controlamos o clima, mas podemos garantir que a gente tenha instrumentos para quando não chover, tenha água estocada”. Aonde está a água estocada? Por que ainda não saiu a Adutora do Pajeú?

Veja também:   A economia a gente vê depois; por Jorge Apolônio

3- “No passado, quando tinha seca, você via multidões de gente nas ruas pedindo esmolas e invadindo supermercados. Nós vamos ver o nosso povo de cabeça erguida, de nariz em pé, olhando pra seca e sabendo que temos todos os recursos para enfrentá-la”. Ora, hoje as esmolas são pagas pela Caixa Econômica Federal (CEF) e não vejo ninguém de cabeça erguida.

4- “Queremos que a seca passe e ninguém sofra as consequências dela”. Vejo esta frase como puro deboche por tudo que estamos passando.

5- “Queremos que as adutoras, cisterans, a irrigação, sejam a realidade”.

Francamente, esta última eu vou deixar vocês comentarem… Na próxima terça-feira (13), a presidente Dilma lança mais um programa de irrigação para o Nordeste. Antes tarde do que nunca? Que bom sermos um povo pacífico, que gosta de samba, futebol e cachaça. Viva o povo brasileiro!