Quem passou pelo Hospital Regional Agamenon Magalhães (Hospam) em Serra Talhada, nessa quinta-feira (23), foi testemunha de um verdadeiro caos instalado no setor de emergência e na pediatria da unidade. Pacientes sentados no chão, espalhados pelos corredores e muito tumulto no atendimento. Segundo o médico plantonista Barbosa Neto, em 12 horas foram realizados 200 atendimentos no setor de urgência e cerca de 100 atendimentos na emergência pediátrica. Até crianças ficaram internas nos corredores.

“Foi um dia de caos. Um verdadeiro drama que vivemos nesta quinta-feira e que vai continuar do mesmo jeito. Tudo isso porque não há médicos para atenção básica nos postos de saúde de Serra Talhada. Dos 200 atendimentos, apenas 3% foram casos de urgência. Isto não é possível”, desabafou o médico em conversa com a reportagem do FAROL DE NOTÍCIAS.

De acordo com Barbosa Neto, o Ministério da Saúde estabelece uma cota de até 32 atendimentos num setor de emergência. Entretanto, segundo Barbosa, só um clínico atendeu 62 pessoas nesta quinta-feira. “Isto deixa o médico numa carga alta de stresse. Ninguém suporta isso. O município precisa fazer a sua parte”, reforçou o plantonista. Já alguns pacientes que procuraram o Hospam admitem que não tiveram alternativas. “Não tem médico no Mutirão e tive que trazer o meu filho para emergência. Foi o jeito”, relatou Maria das Dores Lima.

A reportagem do FAROL  apurou que os postos de saúde do Mutirão, Ipsep 2, Cohab e Bom Jesus estão sem médico. Entretanto, não localizamos a secretária de Saúde, Socorro Brito, para justificar  a ausência de médicos nos postos.

Veja também:   Após retorno da Covid, população defende uso de máscaras em ST