Fotos: Farol de Notícias/Max Rodrigues

Publicado às 05h08 desta terça-feira (14)

Foi realizado na tarde desta segunda feira, 13, nas dependências do Aeroporto Santa Magalhães, em Serra Talhada, um evento que contou com as presenças de técnicos da empresa Azul Linhas Aéreas, Ministério dos Transportes, ANAC e da Infraero, além do secretário de Transportes de Pernambuco, Sebastião Oliveira.

A ‘força-tarefa’ teve como principal foco vistoriar as obras de requalificação da pista e do Terminal de Passageiros do Aeroporto, e adiantar o processo de certificação da ANAC, última etapa técnica a ser superada, para que os voos comerciais possam ser realizados a partir de solo serra-talhadense.

“Estamos em vias muito próximas de fazer a certificação da ANAC para o aeroporto, demos entrada nesta certificação no dia 3 de outubro, essa é uma certificação que dura mais ou menos uns 120 dias, mas eu tenho lutado com a equipe da Dixes, com a equipe do Ministério dos Transportes, para que essa certificação ocorra num prazo inferior a 120 dias e que ela possa ocorrer ainda esse ano, a partir daí a responsabilidade será toda da Azul Linhas Aéreas para dizer quando poderemos fazer o voo inaugural”, explicou o Sebastião Oliveira.

AZUL

Para o representante da empresa Azul, Ronaldo Veras, as obras realizadas no aeroporto lhe causaram “boa impressão” e  “as estruturas são bastante práticas e funcionais”. De forma cautelosa, ele estipulou um prazo para o anuncio do primeiro voo.

“A nossa ideia é após a certificação, nós estejamos voando aqui, trazendo o que nós temos de mais sofisticado hoje, que é o mais usada para esse tipo de operação o ATR 72-600, um avião para 70 passageiros, um avião de última geração”, disse Veras.

Durante a coletiva foram abordadas duas questões envolvendo a segurança dos voos no aeroporto. A primeira referente a presença de urubus no entorno do lixão que ficava nas proximidades da cabeceira da pista e a outra com relação aos riscos de choque de aeronaves com a Serra Verde – a estrutura rochosa está localizada as margens da PE-360 e chega a atingir cerca de 200 metros de altura.

“Isso aí a gente pode responder que o risco aviário com o lixão foi absolutamente excluído quando a prefeitura, que se comprometeu de desativar o lixão, e o desativou em meados desse ano”, disse Sebastião Oliveira. No tocante a Serra Verde o representante da Azul disse que estava tranquilo em relação a essa questão, porque, entre outras coisas, os voos vão ser diurnos.

“Eu não estaria aqui se não tivesse certeza de que vai ser uma operação segura. Nós temos um corpo técnico de engenheiros… especializados nesse tipo de operação. Então, nós vamos fazer uma operação nas duas cabeceiras da pista e estamos pedindo o apoio da administração do aeroporto e da secretaria (estadual de transportes), que seja instalado um equipamento que nos vai dar informações reais da velocidade e sobre a posição do vento, mas eu diria que no procedimento que estamos fazendo adequado ao Aeroporto de Serra Talhada, vai ser uma operação sem nenhum tipo de restrição, desde que esse equipamento seja instalado. É uma operação semelhante, eu diria a grosso modo, ao que é realizada no aeroporto Santos Dumont (Rio de Janeiro), que também tem alguns obstáculos, mas sem oferecer nenhum tipo de risco”, declarou Ronaldo Veras.

O representante da empresa não quis adiantar os valores referentes as passagens, mas deixou claro que serão compatíveis com a realidade local. Ele também disse que a princípio os voos serão de 3 a 4 vezes por semana, e acrescentou que o usuário poderá adquirir (pela internet ou no guichê) as passagens para qualquer destino que a empresa disponibilize voos (com escalas), sendo que a saída será do aeroporto de Serra Talhada.

Manutenção e cuidados com a pista

Após a coletiva a equipe do Farol de Notícias foi convidada pelo Engenheiro da Setra, Rômulo Menezes, para percorrer e conhecer melhor a pista de pouso, que têm um 1.800 metros de extensão e 30 metros de largura.

Durante o passeio o engenheiro informou que a pedido da ANAC as cercas no entorno terão que ser rebaixadas para ficarem abaixo do nível da pista por uma questão de segurança, bem como a limpeza da pista que tem que ser realizada duas vezes por dia para que não fique uma pedra sequer.

Menezes informou que a nova iluminação noturna já está sendo concluída e que se caso a Azul escolha no futuro por operar com uma aeronave A-320, com capacidade para 150 pessoas, a pista terá que ser ampliada novamente, mas sem que os voos com aeronaves menores sejam interrompidos.

Sebastião Oliveira e o representante da Azul, Ronaldo Veras

 

Compartilhe isto: