“Dilma não é ameaça pra ninguém, nem muito menos Eduardo Campos”. Com esse entendimento, o presidente da Amupe (Associação Municipalista de Pernambuco), José Patriota (PSB), tentou minimizar o fogo que ameaça se espalhar e separar, definitivamente, “gregos”, diga-se PT, e “troianos” do PSB, diante do avanço das especulações sobre a candidatura do governador Eduardo Campos (PSB) à presidência da República. Em conversa com o FAROL DE NOTÍCIAS, neste sábado (23), ele disse que é preciso ter muito cuidado com setores da imprensa que tentam “apimentar as coisas” na relação entre Dilma e Eduardo Campos.

“Cada eleição tem seu tempo e o seu momento, e a sua disputa. Dilma e Eduardo são aliados. E ela não tem o que temer. E nem ele. PT e PSB podem ter uma opinião ali e acolá diferente, mas são companheiros de um projeto de mudança, e de distribuição de renda. Os dois têm projetos de inclusão social e de nação muito parecidos, possuem muitas semelhanças”, avaliou Patriota, durante reunião do Cimpajeú (Consórcio de Municípios da Região), que aconteceu no início da tarde deste sábado(23), em Serra Talhada.

“Infelizmente alguns setores da imprensa e lideranças ainda imaturas ficam querendo apimentar e chafurdar, provocando declarações que não enchem barriga. Os partidos terão o prazo suficiente para tomar suas decisões. Por enquanto, o que vale hoje é manter a governabilidade e ajudar Dilma”, considerou.

PAPEL DA AMUPE

Indagado sobre como deverá se comportar a Amupe frente a uma possível confirmação da candidatura de Eduardo Campos, Patriota fez questão de separar as interpretações. “Eu sou filiado ao PSB e deverei seguir a posição do meu partido. O militante e prefeito vai seguir as diretrizes do PSB quando a legenda tomar qualquer posição, seja de candidatura própria ou não. Agora, como presidente da Amupe, tenho a responsabilidade de cuidar das políticas de apoio aos municípios. Isso, independente do prefeito ser de A ou B”.

Veja também:   Danilo Cabral diz que está 'virando a chave da campanha

Para Patriota, Eduardo Campos “virou referência para trabalhadores e empresários de todo o Brasil”, pois teria inovado no modelo de gerir recursos públicos. “Por isso ele é convidado para fazer palestras mostrando o seu modelo de gestão”, ratificou o socialista, tentando justificar as especulações de candidatura do líder estadual. “Então pela liderança, Eduardo acabou chamando a atenção do País. Isso é uma conquista do partido e naturalmente ele passa a ser lembrado como um possível candidato. Mas não tem nada definido”, finalizou o prefeito.