Publicado às 17h30 desta quinta-feira (8)

Na última terça-feira (6), a secretária de educação Marta Cristina foi entrevistada pelo programa Falando Francamente na TV FAROL no YouTube para falar um pouco sobre o volta às aulas em Serra Talhada. Durante a entrevista, a secretária afirmou que, em setembro, se todos os professores estiverem vacinados, é possível que o ensino híbrido ou presencial volte na rede municipal (relembre aqui). Nessa quinta-feira (8) a reportagem do Farol foi ao centro da cidade saber o que as pessoas acham desse possível retorno. Confira as respostas.

FALA POVO VOLTA SOBRE ÀS AULAS EM SETEMBRO

Para a doméstica Paula Aparecida Gonçalves, 40 anos as aulas devem voltar. “Eu sou a favor do volta às aulas, porque já vão estar vacinados e se  a vacina funcionar mesmo, a doença vai diminuir. Eu me sinto segura de deixar minha filha ir, espero que voltem as aulas presenciais”, afirmou.

 

 

O motorista Edvanildo José de Melo Silva, 53 anos, também se coloca a favor. “Eu sou a favor dessa volta às aulas, com a vacinação eu me sinto seguro de ter o retorno”, pronunciou.

 

 

 

 

A autônoma Aline Lima, 29 anos, mesmo não estando tão segura, prefere que as aulas voltem. “Eu sou a favor que as aulas voltem, não tenho muita segurança ainda, mas eu eu acho que tem que voltar”, ressaltou.

 

 

 

A dona de casa Fátima Lima, 51 anos, mesmo não se sentindo segura, acredita que as aulas devem voltar. “Não me sinto tão segura, mas de qualquer forma tem que voltar, porque já está muito tempo que está parado e de certa forma tem que recomeçar, a gente não fica totalmente seguro, mas eu sou a favor”, afirmou.

Veja também:   A inauguração da Estação Ferroviária e o protesto de Lorena

 

 

A dona de casa Larissa GomeS, 23 anos, é contra o retorno das aulas e afirma não se sentir segura em mandar sua filha para a escola. “Não sou a favor desse retorno em sala de aula, numa pandemia dessa os filhos da gente em uma escola, não me sinto segura de jeito maneira, eles são muito pequenos, muito indefesos, eles não sabem nem manter a máscara com a gente por perto cobrando, imagine numa sala de aula com 20 crianças, acho que ainda é muito precoce para eles, eles têm que ficar em casa pelo menos até passar mais, porque a doença ainda está muito persistente”, enfatizou.

A autônoma Maria Helena, 33 anos, concorda com o retorno das aulas desde que tenha todos os cuidados. “Eu concordo com o volta às aulas em setembro sim, estando todos de máscaras, usando o álcool em gel, tendo todos os cuidados”, declarou.

 

 

 

A dona de casa Maria Júlia, 20 anos, tem medo desse retorno e afirma que prefere ensinar ao seu filho em casa do que mandar ele para sala de aula. “Não sou a favor dessa volta às aulas, porque estão aparecendo muitas sequelas dessa doença, é um tal de um fungo negro. No meu ponto de vista é melhor que as aulas permaneçam on-line, é preciso esperar mais para ver se as coisas melhoram, por enquanto as coisas só pioram, ai vai voltar as aulas para terminar de matar o povo? Meu filho não volta, ele tem 6 anos e não tenho coragem de deixar ele ir, prefiro ensinar em casa do que arriscar a vida do meu filho, porque a gente não sabe quem tem ou quem não tem a doença, a pessoa no centro da cidade já é arriscado, imagine em uma sala fechada”, detalhou.

Veja também:   Polícias tentam fechar cerco a traficantes em ST

O vendedor Ailton Moraes de Souza, 49 anos, diz que não se sente seguro para o retorno das aulas. “Não su a favor do volta às aulas, eu não me sinto seguro ainda de mandar minha filha para a escola”, pontuou.