Por Jorge Apolônio, membro da Academia Serra-talhadense de Letras, policial federal e colunista do Farol

Publicado às 05h20 deste sábado (7)

Nunca tantos brasileiros confiaram tanto em uma pessoa e lhe deram tanto crédito para que transformasse este pais na maravilha que essa pessoa dizia que transformaria e com que o povo tanto sonhava. Algo perfeitamente possível, se implementado por gente competente e honesta.

Lula teve a oportunidade de transformar este país em uma potência mundial, mas, depois de um primeiro mandato promissor, por deformação moral e mesquinharia política, conduziu com o PT e partidos aliados o Brasil para o caos.

Deixou-se seduzir pelo vil metal e traiu cinicamente uma nação inteira, sobretudo, os que acreditavam e, mais ainda, os que estupidamente insistem em acreditar nele, apesar da constatação de seus crimes. A História é farta desses casos patológicos pelo mundo.

Fingindo-se de defensor dos pobres, ficou milionário liderando o maior esquema de corrupção do mundo até então, enriquecendo e enlameando um infindável número de “companheiros” que apostaram no seu projeto, inclusive seus filhos e a própria esposa. Conseguiu enganar o mundo a ponto de Barack Obama, então presidente da maior potência mundial, achá-lo o cara, conforme afirmou publicamente.

Lula fomentou o ódio entre brasileiros enquanto hipócrita e malandramente acusava dessa prática seus opositores. Como legado do seu obcecado e ruinoso projeto de poder, deixou os partidos e a política desmoralizados, um país falido, dividido, descrente da política e destroçado pela corrupção e violência.

Porém, como diria outro presidente americano, o Lincoln, você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo.

A operação lava-jato foi desmascarando um a um os corruptos e prendendo-os na medida do possível até chegar ao elemento central: Lula.

Lula veio do nada, da miséria, de uma região árida e pobre e atingiu o mais alto cargo de seu país. Teve as maiores honrarias do seu povo e dos povos de outros países. Frequentou os mais nobres salões da Terra e conviveu com as maiores autoridades mundiais do seu tempo. Nessa escalada, virou mito, ficou poderoso, rico, arrogante, soberbo e foi condenado por corrupção.

Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? – Marcos 8:36.

Compartilhe isto: