Publicado às 18h desta quarta (16)

O secretário municipal de Administração, Renato Godoy, defendeu nesta quarta-feira (16) a idoneidade da empresa ADM&TEC, escolhida pelo governo Luciano Duque como organizadora do edital da Prefeitura de Serra Talhada, lançado na semana passada [veja aqui].

Em mensagem gravada e envida por WhatsApp ao programa Frequência Democrática, na rádio Vilabela FM, o secretário disse que as informações dando conta de suspensões de concursos em outras cidades tendo à frente a ADM&TEC como organizadora [veja aqui], já foram resolvidas à favor da empresa.

“Uma pessoa que foi à rádio falou de uma suspensão de concurso de um consórcio de municípios, e com relação a esse tópico, não há o que se discutir mais sobre o tema, pois essa matéria é vencida, é ultrapassada. O Ministério Público de Contas emitiu parecer reconhecendo a qualidade técnica da empresa”, rebateu Renato Godoy.

Ele lembrou que no dia último dia 9 de maio houve uma sessão no Ministério Público de Contas de Pernambuco em que se votou pela legalidade da realização dos concursos que até então estavam suspensos. Na visão do secretário, isso “representa o reconhecimento da qualidade da empresa diante o prosseguimentos de todos os concursos e que estavam sendo realizados pela ADM&TEC”.

POLITIZAÇÃO

O secretário também criticou o que chamou de “politização” sobre assunto. “O grande problema é que eu não entendo a politização e a discussão com relação necessariamente a esse edital. Sempre houve um questionamento sobre a realização de um novo concurso e aí a gente faz o concurso e aí as pessoas ficam utilizando para ficar discutindo política com relação a isso”, lamentou.

Sobre retificações no edital realizadas esta semana [veja aqui], o secretário lembrou que esse é um procedimento legal para aprimorar o certame. “Em concursos do país inteiro se publica o edital, depois se publica as erratas. Eu já vi publicações de mais de oito erratas para um mesmo edital. Essa não é uma questão para ser politizada, é uma questão para se discutir no limite técnico”, defendeu Renato Godoy, reforçando:

“Os concurseiros, professores de cursinhos, o cidadão, ele tem direito de peticionar a empresa, tem direito de peticionar a secretaria de Administração, de peticionar o município. Os questionamentos são levados a empresa, o que for e houver respaldo legal será alterado. O que não houver respaldo legal não será alterado”.

 

Compartilhe isto: