Do Diario de Pernambuco

Uma pesquisa, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), informou o comportamento dos pernambucanos durante a pandemia. Os dados foram atualizados com estudos feitos até o mês de setembro. Entre os dados divulgados, o instituto comunicou que 255 mil pernambucanos não adotaram qualquer medida de restrição entre os meses de agosto e setembro. Os dados apontam um crescimento percentual, que subiu de 1,8% para 2,1%. Com relação ao número de pessoas que reduziram o contato, mas continuaram saindo de casa, o número também apresentou um aumento, que passou de 3,1 milhões para 3,5 milhões.

A queda no número de habitantes que atenderam o isolamento e só saíram de casa em casos de necessidade também recuou. Segundo os dados, de 3,9 milhões, que representava 41,6% da população, o número caiu para 3,7 milhões, representando 39,6%. O mesmo aconteceu com as pessoas que permaneceram rigorosamente isolados. Eram 2,1 milhões em agosto e, em setembro, caiu para 1,8 milhões. Uma diferença de 300 mil pessoas. Em comparação com o mês de julho, 600 mil pessoas deixaram o isolamento rígido.

Em agosto, a faixa etária que mais cumpriu as medidas de distanciamento social, pelo terceiro mês seguido, foi a de 0 a 13 anos, em que 52,9% das pessoas com esse intervalo de idade ficaram rigorosamente isolados, seguido pelas pessoas de 60 anos ou mais, com 27,4% dos casos. Nos habitantes com idade entre 30 e 49 anos, apenas 4,2% adotaram o isolamento rigoroso.

No mês de setembro, houve um aumento no percentual tanto de idosos, quanto de crianças de 0 a 13 anos, que permaneceram em casa e só saíram em caso de necessidade básica no estado Pernambuco. Para a população de 60 anos ou mais, a proporção passou de 50,6% para 60,1% em setembro. Já entre as crianças, os números passaram de 32,2% para 32,7%.