A ação do Major Theophanes em combate que saiu ferido Lampião
O major Teófanes Ferraz Torres ao lado do dr. Euríco de Souza Leão (de branco), chefe de polícia ao sertão de Pernambuco, em Belmonte (janeiro de 1928). De pé, o tenente volante Arlindo Rocha – Foto: Reprodução

Pesquisa feita pelo Historiador Valdir José Nogueira de Moura

Sobre esse fato publicou o Jornal do Recife, ed. 93, p.4, de 22/4/1924:

“De Vila Bela – Ninguém seria capaz de avaliar a surpresa e a sensação causadas à população vilabelense pelo grande acontecimento que ora empolga o sertão…

Narremos o fato:

No dia 17 do p. p. o major Theophanes Torres, acompanhado de 19 praças, partiu desta cidade com destino a Belmonte, de onde pretendia sair em diligência para diversos pontos.

Chegando naquela cidade soube que diversos grupos de cangaceiros estavam em “Lagoa Vieira” deste município, lugar muito conhecido – como centro de operações banditinas, por conseguinte foco dos bandidos; então em Belmonte o dito oficial aumentou a sua força com 14 praças do respectivo destacamento daquela cidade, e seguiu sem perda de tempo em direção aquele local onde se encontravam os cangaceiros.

Solícito e valente como sempre, o destemido oficial, querendo zelar o seu nome, aliás já feito e conhecido entre nós mas uma questão de sã moral do que por vaidade ou fantasia tinha em mira o cumprimento do dever, isto é, ardia em desejos de brigar com o famigerado Lampião, foi assim que no dia 23 do mês aludido, o intrépido comandante das forças volantes sustentou renhido combate com Lampião e seus sequazes.

Veja também:   Homem é assassinado a tiros nesse domingo

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

A operação foi realizada no mesmo caminho de “Lagoa Vieira” pelo espaço de uns 25 minutos mais ou menos, resultando saírem feridos gravemente um tal “Maçarico” e Lampião, e o cavalo em que este último cavalgava fora morto no combate.

Esse tal “Maçarico” é um cangaceiro terrível, dizem que ele é o factótum do Lampião.
Após a luta os bandidos fugiram espavoridos pelo serrado da caatinga deixando entre outros objetos, um bornal muito enfeitado contendo 360 balas de rifle.

Mas confiante na ação e no valor que seus soldados demonstraram por ocasião da luta, o major Theophanes não desanimou com a fuga dos facínoras ao contrário, seguiu-lhes ao encalço, perseguindo-os continuadamente até as proximidades do lugar Barro, servindo-lhe de guia a pista do sangue que os bandoleiros iam deixando pelos caminhos ora por dentro, ora por fora da caatinga.

Veja também:   Agência anuncia novas vagas para ST

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Quando ele ia chegando no lugar Barro que dista uma légua de “Lagoa Vieira” e doze desta cidade, caiu numa emboscada onde sustentou novo tiroteio contra os malfeitores, saindo feridos gravemente o anspeçada Manoel Amaro de Souza e o soldado Manoel Gomes de Sá, e levemente o soldado João Demétrio Soares.

Calcule o público as numerosas dificuldades com que lutou o major Theophanes na luta da emboscada em que foram feridos os seus soldados, em que afinal os bandidos apavorados com a energia dos mesmos e a tenacidade do oficial tiveram de fugir novamente, tornando-se impossível continuar a perseguição em vista das faltas de recursos, já para tratar dos feridos, já para transportá-los convenientemente a esta cidade.

Assim, sob as vistas cuidadosas do distinto oficial os feridos foram transportados para aqui. E tudo isto foi suportado numa caminhada de 12 léguas com resignação, coragem e valor incontestáveis.

Veja também:   Bolsonaro visita Bope no Rio de Janeiro

O mais interessante de todo esse feito é que, o major Theophanes só viera a saber que tinha combatido com Lampião depois de toda a luta, porque uma mulher residente no Barro, lhe afirmara ter visto passarem correndo dos fugitivos Lampião, Maçarico e Meia-Noite e outros todos conhecidos da informante.

Portanto parabéns ao major Theophanes e aos seus valentes soldados.”

Detalhes sobre a foto e seus personagens

Foto: O major Teófanes Ferraz Torres ao lado do dr. Euríco de Souza Leão (de branco), chefe de polícia ao sertão de Pernambuco, em visita à cidade de Belmonte em janeiro de 1928, quando da inspeção ao Sertão pernambucano. De pé, o tenente volante Arlindo Rocha. O major Teófanes era considerado uma verdadeira lenda no seio da corporação em que atuava. O mesmo havia se notabilizado pela prisão do famoso cangaceiro Antônio Silvino no ano de 1914.