Publicado às 05h30 deste domingo (22)

O “Viagem Passado” deste domingo resgata uma imagem que simboliza um dos importantes momentos para o desenvolvimento econômico de Serra Talhada, ao mesmo tempo, a coluna também trás à tona um debate importante sobre a origem de um dos símbolos do município.

O relato abaixo foi publicado no livro “Serra Talhada: Cem anos em quarenta (1940-1980)”, no qual a fotografia, data de 07 de fevereiro de 1957, foi analisada da seguinte forma:

“…uma foto raríssima do momento em que foi simbolicamente desentrançada a fita que deu por inaugurada a Estação Ferroviária de Serra Talhada. O registro não é conhecido por pesquisadores, escritores ou está exposto em algum museu e graças a essa pesquisa essa imagem veio à tona, em meio a centenas de fotos do arquivo da FGV/CPPD. Os fatores que nos ajudaram a identificar a foto, já que a mesma não se encontra em um arquivo especifico ou data, foi à silueta da serra ao fundo e a presença do então prefeito Luiz Lorena, com o seu tradicional bigode, à direita e atrás do representante do governo federal, Cleanthon de Paiva Leite, que junto com o Governador, o General Osvaldo Cordeiro de Farias, desentrançada a fita. Nos extremos dos portões que dão entrada espaço que dar acesso área de embarque e desembarque, percebemos a esquerda uma jovem segurando a bandeira de Serra Talhada, e a direita, dois jovens segurando as bandeiras do Brasil e de Pernambuco…”.

O livro que foi publicado em 2019, também destaca o discurso do então prefeito Luiz Lorena, durante a inauguração da Estação Ferroviária, com um severas criticas ao atraso da obra, que poderia, segundo Luiz Lorena, ter sido inaugurada ‘a pelo menos 30 anos antes’:

“Com efeito, este contentamento, esta alegria, trazidos aos corações dos sertanejos incultos e presos à gleba, trarão aos espíritos dos homens mais avisados, aos espíritos dos que lêem e viajam, aos espíritos dos que conhecem o mundo exterior, revolta, indignação. Sabemos, todavia, que o Brasil é um pais adulto. E somente agora em pleno meado do século XX, 457 anos depois de sua descoberta vêm-se de inaugurar em Serra Talhada, a Estrada de Ferro Central de Pernambuco. Como é sabido por todos nós, ela sempre foi indispensável, imprescindível para o desenvolvimento econômico e demográfico da região. Retardaram demais a nos trazer esta grande conquista. Não queremos responsabilizar, por isso, os atuais dirigentes da Nação. Todavia, é necessário que se diga, para evitar que essa gente incauta que me houve, não fique a pensar que estamos recebendo tudo aquilo de que necessitamos para evoluirmos, crescermos. Gente de minha terra, o trem, afinal de contas, chegou à Serra Talhada. O pior seria não chegar. Mas não representa de progresso e de economia o que representaria se houvesse inaugurado pelos menos 30 anos atrás, o tempo normal para a execução desta grande obra”.

A ORIGEM DA BANDEIRA DE SERRA TALHADA

Veja também:   Medidas adotadas devem levar preço da gasolina de R$ 7,39 a R$ 5,84

Um dos símbolos mais importante de Serra Talhada é a sua bandeira, que entre outras coisas, destaca o ciclo do algodão, a da serra que dá nome a cidade; a fé cristã (a cruz); as datas referentes à aquisição das terras pelos colonizadores e a emancipação política. Além das cores predominantes em tons de marrom e branco.

No entanto, não se sabe número e data do Decreto Municipal ou a Lei Municipal que criou a bandeira, nem mesmo de quem foi a ideia da confecção desta bandeira, isso porque a cidade mudou de nome em 1938, deixando de ser chamada de Villa Bella, o que poderia fazer com que existisse uma outra bandeira, que veio a ser substituída a partir da década de 1940.

O fato é que a cidade não possui um arquivo público municipal digitalizado, onde os documentos históricos pudessem ser preservados e facilitado o acesso desse material a pesquisadores, historiadores, estudantes, professores e a população em geral. Esperamos que em breve a história sobre a origem da bandeira da cidade possa ser esclarecida e que autoridades passem a ver a riqueza histórica, passe a ser um bem precioso que deve ser organizado e preservado.