Publicado às 05h40 desta segunda-feira (120

A serra-talhadense Gabriela Ferreira da Silva, 29 anos, é um exemplo claro da frase do poeta português Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”. Gabriela reside no bairro da Cohab, e é casada há sete anos com Waldir Pereira dos Santos. Na companhia do marido, ‘Gaby’ sai às ruas da capital do xaxado, nos finais de semana, para vender algodão doce. O marido vai para um lado, e ela para um outro. Passam cercam de cinco horas andando e puxando um apito que anuncia a guloseima, que está quase em extinção.

“Minha história é de superação porque tenho as crianças e por elas sempre trabalhei, para nunca faltar o pão dentro de casa. Sempre ajudei o meu marido, porque o ganho dele não dá. Já entreguei panfletos nas ruas, já vendi docinhos, trabalhei em restaurante e até supermercado, mais fui demitida, e hoje vendo algodão doce. Mas tenho muito orgulho de ser quem sou. Com muito trabalho e determinação a gente sempre alcança o objetivo. Sempre tive Deus e com ele nada é impossível”, disse Gabriela da Silva, fazendo um resumo da sua vida.

Veja também:   Pais dizem que filhos estão sendo transportados como 'bichos' em ST

Aliás, foi o marido, Waldir Pereira, que ao encontrar este repórter sapecou: ‘Rapaz, o Farol precisa contar a história da minha mulher. Ela é uma guerreira”, reforçou. No final de semana, o casal chega a vender cerca de 100 pacotes de algodão doce, gerando uma receita extra de R$ 200. Mas Gabriela também faz trunfas, e ainda sonha com um emprego de carteira assinada. “Já fiz um pouco de tudo. Inclusive, faxina em casa de família. Este é um ‘bico’ mas se pintar um trabalho, claro que eu pego”, disse a ‘guerreira’. Alguma oferta de emprego para a Gaby do Algodão Doce é só ligar: 87 -96306867.