Academia Serra-talhadense de Letras lança biografia de imortal
Adalva Cordeiro – Imortal da Academia Serra-talhadense de Letras – Foto: Arquivo Pessoal

Da Assessoria

Adalva Cordeiro é uma pessoa absolutamente conhecida pelo seu brilhante e revolucionário trabalho na educação em âmbito regional, seja no ensino infantil quando iniciou na profissão na Escola Típica Rural de Calumbi, seja no nível superior como professora da Fafopst.

O livro foi escrito e organizado pelo jornalista por auto afirmação Carlos Sett, que assim, como Adalva, é membro da Academia Serra-talhadense de Letras e narra em capítulos a trajetória de vida e a carreira docente da notável mestra.

Desde a sua infância na fazenda Carnaúba até o cargo de Diretora Pedagógica da Aeset/Fafopst, primeira instituição de Ensino Superior de Serra Talhada da qual é cofundadora.

Veja também:   A segunda pessoa mais velha no mundo, supera Covid-19

Passando pelo tempo de estudo na Escola/Internato Stela Maris em Triunfo e os seus relevantes cargos em instituições públicas.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão (clique aqui)
A obra literária relata seus serviços à comunidade religiosa, de catequista muito querida a coordenadora de pastorais e conselhos de leigas e leigos no âmbito Paroquial, Diocesano e no Regional Nordeste 2 da CNBB, cargos que exerce de forma emérita até os dias atuais, sempre agindo com fé, retidão e muito amor.

Sua devoção por Nossa Senhora é inegável e seu serviço comunitário valoroso. Além de ter atuado de forma voluntária em diversos conselhos consultivos e deliberativos no município, como o Conselho do Idoso, da Saúde, etc.

Veja também:   1.292 vagas são oferecidas com salários de até R$ 20.530,01

Suas reminiscências, homenagens e honrarias, fotografias de momentos marcantes e peregrinações ilustram o livro, tornando-se testemunhas de sua magnífica trajetória como mulher religiosa, professora vocacionada e cidadã comprometida com a casa comum.

Finalizo esta nota cultural com uma frase de sua autoria: “Não precisamos apagar a luz do próximo para que a nossa brilhe”.