Álcool 70%: hoje é o último dia para comprar o produto
A partir de 30 de abril o álcool 70% líquido não será mais vendido em território brasileiro – Foto: Freepik

Por Folha de Pernambuco

Por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa) foi determinado que o álcool líquido 70% deixará de ser comercializado em supermercados e farmácias no território brasileiro a partir desta terça-feira, dia 30 de abril. O motivo para a mudança é o grande número de acidentes registrados causados pela alta inflamabilidade.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Por que houve a proibição?

A liberação anterior da venda do produto a partir da resolução RDC 766/2022 foi realizada durante o contexto de pandemia da Covid-19. Contudo, o prazo de vigência expirou em dezembro do ano passado, mas foram liberados 120 para “fins de esgotamento de estoque”.

Segundo a agência, o produto é altamente inflamável e já havia sido proibido em 2002 devido ao grande número de acidentes registrados. Sua proibição visa diminuir esse risco. Já o álcool em gel (de até 500g) e o álcool líquido 46% estão autorizados e prosseguirão sendo vendidos.

Veja também:   Prefeitura de Serra Talhada oferta oficinas sobre vendas online

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Alternativas ao álcool 70% líquido para superfícies

Anteriormente, a Anvisa emitiu uma nota com alternativas ao uso do álcool 70%. A lista dos produtos recomendados para desinfecção de objetos e superfícies são:

Hipoclorito de sódio a 0,5%;

Alvejantes contendo hipoclorito (de sódio, de cálcio) a 2-3,9%;

Iodopovidona (1%);

Peróxido de hidrogênio 0,5%;

Ácido peracético 0,5%;

Quaternários de amônio como cloreto de benzalcônio 0,05%;

Compostos fenólicos;

Desinfetantes de uso geral com ação contra vírus.

 

E para as mãos?

Já para a higienização das mãos, especialistas indicam lavar utilizando água e sabão. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), com menos de 10 segundos de lavagem os germes ainda permanecem. Desta forma, ela deve levar de 20 a 30 segundos para obter os efeitos desejados.

Veja também:   Comerciante de 95 anos está animado com as vendas em ST

 

Veja a maneira correta, de acordo com instruções da Anvisa:

 

Passo 1: Abra a torneira e molhe as mãos, evitando encostar na pia;

Passo 2: Aplique na palma da mão quantidade suficiente de sabonete líquido para cobrir todas as superfícies das mãos (seguir a quantidade recomendada pelo fabricante);

Passo 3: Ensaboe as palmas das mãos friccionando-as entre si;

Passo 4: Esfregue a palma da mão direita contra o dorso da mão esquerda (e vice-versa) entrelaçando os dedos;

Passo 5: Entrelace os dedos e friccione os espaços;

Passo 6: Esfregue o dorso dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta (e vice-versa), segurando os dedos, com movimento de vai-e-vem;

Passo 7: Esfregue o polegar direito, com o auxílio da palma da mão esquerda (e vice-versa), utilizando movimento circular;

Passo 8: Friccione as polpas digitais e unhas da mão esquerda contra a palma da mão direita, fechada em concha, fazendo movimento circular;

Passo 9: Esfregue o punho esquerdo, com o auxílio da palma da mão direita (e vice-versa), utilizando movimento circular;

Passo 10: Enxágue as mãos, retirando os resíduos de sabonete. Evite contato direto das mãos ensaboadas com a torneira.

Passo 11: Seque as mãos com papel toalha descartável, iniciando pelas mãos e seguindo pelos punhos.

Em locais onde de esta opção não estiver disponível, o álcool 70% em gel é uma outra possibilidade acessível.

Veja também:   Secretaria lança oficinas com o objetivo de 'turbinar vendas' em ST

 

Profissionais de saúde continuam tendo acesso ao álcool 70% líquido

Em contrapartida, a decisão mantém o uso do álcool 70% por profissionais de saúde em ambientes hospitalares. Questionada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) esclareceu que “essas disposições já estavam previstas em normativa desde o ano de 2002, e os profissionais de saúde continuarão a ter acesso ao produto”.