Alexandre de Moraes será relator do caso Marielle Franco
Alexandre de Moraes assumirá caso Marielle Franco no STF após ser sorteado. Veja mais sobre caso – © Valter Campanato/Agência Brasil

Do JC Online

Após as investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco subir para o Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Alexandre de Moraes foi sorteado como relator do processo.

O inquérito sobre o caso Marielle Franco foi enviado para o STF nesta quarta-feira (13) após determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), local em que investigação estava em análise.

O motivo da elevação para o STF é a entrada de novas provas que inserem um parlamentar federal com foro privilegiado. Não foi informado o grau de envolvimento do político envolvido.

Veja também:   Moraes vota para condenar mais 15 pessoas pelos atos golpistas do 8/1

Inquéritos sobre parlamentares federais devem tramitar no Supremo, enquanto análises sobre governadores estaduais, desembargadores e conselheiros de tribunais de conta são analisados pelo STJ.

Nesta semana, o assassinato de Marielle Franco completou seis anos. Investigadores querem negociar uma delação premiada de Ronnie Lessa, acusado de efetuar os disparos contra Marielle e seu motorista.

A relatoria do processo foi passada por Alexandre de Moraes por meio de sorteio dentro da Primeira Turma do STF, colegiado no qual a ministra Rosa Weber estava integrada. Weber era a relatora dos casos vinculados com o assassinato de Marielle Franco.

Veja também:   STF julga incidência de tributo sobre incentivo fiscal a exportações

O sorteio que escolheu Alexandre de Moraes em detrimento de Flávio Dino, Cármen Lúcia, Luiz Fux e Cristiano Zanin (membros da Primeira Turma) ocorreu por meio de um sistema de algoritmo.

Moraes é uma das figuras de maior destaque do STF, com relatoria em casos de ataques aos ministros do Supremo, dos processos sobre o 8 de janeiro e de ações contra o ex-presidente Bolsonaro (PL).

Alexandre de Moraes também atua como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que tem causado notoriedade para o magistrado.

Veja também:   STF sinaliza que não há elementos para afastar Eduardo Cunha da Câmara