Do CNN

 

O assassinato de um nigeriano em plena luz do dia nas ruas de uma cidade litorânea da Itália, enquanto pessoas assistiam, provocou protestos e reacendeu um debate sobre racismo e crimes contra imigrantes no país antes das eleições no próximo mês.

Alika Ogorchukwu, 39 anos, foi perseguido, atingido com sua própria muleta e depois espancado pelo agressor “até a morte com as próprias mãos” enquanto estava no chão. O agressor também roubou seu telefone celular, disse a polícia de Macerata.

Imagens de vídeo do ataque, que ocorreu na cidade costeira oriental de Civitanova Marche, foram capturadas por um espectador, mas ninguém foi visto intervindo fisicamente no vídeo.

Pelo vídeo, é possível ouvir uma mulher gritando “pare, pare imediatamente”, e um homem grita: “Você está matando ele”. A filmagem foi publicada pela mídia italiana após ser compartilhada online.

O fato ocorreu às 14h, na sexta-feira (29), na principal rua central de Civitanova Marche, disse Luconi.

Veja também:   Colisão entre motos no giradouro do Shopping deixa 3 feridos em ST

Ogorchukwu foi encontrado morto no local por paramédicos, acrescentou o comunicado da polícia no domingo.

O policial de Macerata, Matteo Luconi, disse à CNN na segunda-feira (1º) que o assassinato “não foi racialmente motivado”, e um comunicado da polícia no domingo disse que provavelmente se deveu a “motivos mesquinhos”.

Um cidadão italiano de 32 anos, Filippo Ferlazzo, foi preso por assassinato e roubo, disse a polícia. Uma das advogadas de Ferlazzo, Federica Trifoglio, disse à CNN na segunda-feira que seu cliente tem problemas psiquiátricos e pretende apresentar um relatório psiquiátrico.

A embaixada nigeriana em Roma condenou o assassinato, dizendo que “o incidente ocorreu em uma rua movimentada e na frente de espectadores chocados, alguns dos quais fizeram vídeos do ataque, com pouca ou nenhuma tentativa de impedi-lo”.

A embaixada disse estar colaborando com as autoridades italianas para garantir que a justiça seja feita e para prestar assistência à família da vítima.

Veja também:   Músicos, amigos e familiares dão adeus a Naldinho em ST

A esposa de Ogorchukwu, Charity Oriachi, disse a jornalistas na sexta-feira que queria justiça para seu marido. “Itália, não me deixe em paz”, disse ela.

Ela disse aos jornalistas que quando viu o marido pela última vez na manhã de sexta-feira, “dei-lhe um croissant, disse-lhe ‘coma isto’. Dei-lhe o croissant e não o vi desde então. Então muitas pessoas me ligaram: — Seu marido, venha! Precisava de alguém com o carro e quando cheguei em Civitanova o vi deitado na rua.”

Francesco Mantella, advogado que representa a esposa de Ogorchukwu, Charity, disse à CNN que Ogorchukwu estava na Itália há cerca de nove anos com uma autorização de residência regular e trabalhava como vendedor ambulante.

Ogochukwu ficou manco após ter sido atropelado por um carro no ano passado, enquanto andava de bicicleta. Ele usou uma muleta para ajudá-lo a se locomover, disse Mantella.

Veja também:   Músico serra-talhadense não resiste e morre nessa 5ª

Ele vendia coisas pequenas, isqueiros e papel de seda, disse o advogado. Ele viajava todos os dias de sua casa, na pequena vila de San Severino Marche, para a cidade maior de Civitanova Marche, na esperança de fazer melhores negócios.

O prefeito de Civitanova Marche anunciou que as despesas do funeral de Ogorchukwu serão pagas pelo município, disse Mantella, e uma campanha de arrecadação de fundos foi iniciada para ajudar sua viúva e seu filho de 8 anos.

O assassinato abalou o país, onde facções de direita podem ganhar maior apoio nas próximas eleições.

Quatro anos atrás, um homem envolto em uma bandeira italiana atirou em seis imigrantes africanos em um ataque racial em Macerata, a menos de 32 quilômetros de onde Ogorchukwu foi morto.