Do Diario de Pernambuco 
Após a aprovação por 47 votos na sabatina do Senado para assumir o cargo de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) na noite de ontem, o ex-ministro da Justiça André Mendonça compareceu ao Palácio do Planalto nesta quinta-feira (2/12) para “dar um abraço” no presidente Jair Bolsonaro. No entanto, o chefe do Executivo cumpre agenda no Rio de Janeiro e retorna a Brasília apenas no meio da tarde.
O ex-advogado-geral da União (AGU) disse a jornalistas que conversou ainda na noite de ontem por telefone com Bolsonaro a respeito do resultado e completou que o presidente também “estava muito feliz”. E emendou dizendo que ainda não há uma previsão para a nomeação, mas que espera que ocorra ainda este ano.
“Ontem falei com o presidente (Luiz) Fux e a expectativa (de nomeação) é este ano ainda”, apontou. “Fiquei muito feliz. A gente sabia que ia ser difícil, mas que íamos vencer”, concluiu.
Pelas redes sociais, Bolsonaro disse na quarta-feira (1º) que “o compromisso de levar ao Supremo um “terrivelmente evangélico” foi concretizado”.
Sabatina
A votação ocorreu depois de mais de oito horas de sabatina na CCJ, na qual o ex-ministro da Justiça fez acenos à classe política e defendeu o Estado laico, mas se distanciou de decisões e falas controversas do presidente Jair Bolsonaro.
Na sessão da CCJ, Mendonça foi questionado sobre liberdade de imprensa, compromisso com a Constituição, atuação durante o governo Bolsonaro, religião, marco temporal, democracia, casamento homoafetivo, dentre outros. Um dos principais pontos de discussão da sabatina foi a religião do advogado, que é pastor presbiteriano.
A expectativa é de que a cerimônia de posse na Corte seja realizada até 17 de dezembro, último dia das atividades deste ano. Depois disso, haverá recesso e o tribunal funcionará em regime de plantão. O presidente, Luiz Fux, julgará apenas casos urgentes.
A primeira indicação de Bolsonaro ao STF foi a do atual ministro da Corte, Kássio Nunes Marques. Caso reeleito em 2022, o presidente poderá indicar mais dois nomes em 2023.
Veja também:   Duque: Apoio de vereadores em Sertânia