Do Diario de Pernambuco 

A França ampliará a gratuidade dos métodos anticoncepcionais até 25 anos, até agora reservados para menores, para apoiar a autonomia econômica das mulheres jovens – anunciou o ministro da Saúde, Olivier Véran, nesta quinta-feira (9).

“Tenho observado, em colaboração com as autoridades científicas, que um certo número de mulheres jovens usa cada vez menos anticoncepcionais, e a principal razão é por motivos econômicos”, disse Véran ao canal público France 2.
A medida, que entrará em vigor em 1º de janeiro, vai custar 21 milhões de euros (24,8 milhões de dólares) por ano. Foi estendida até 25 anos, porque é a idade que corresponde a “maior autonomia econômica” e social, acrescentou.
A gratuidade vai abranger desde as pílulas anticoncepcionais até o exame biológico, passando pela consulta médica e todos os cuidados de saúde associados, especificou.
A contracepção já era gratuita desde 2013 para jovens entre 15 e 18 anos. Desde então, a prática do aborto nessa faixa etária caiu, de 9,5 para 6 a cada 1.000 jovens entre 2012 e 2018.
Em 2020, a medida foi passou a incluir as menores de 15 anos, já que, segundo o governo da época, quase 1.000 adolescentes entre 12 e 14 anos engravidam a cada ano. Dessas 770 recorrem ao aborto.
O anúncio é feito no momento em que associações e deputados, incluindo o partido da situação, tentam ressuscitar a reforma que visa a estender o período autorizado para o aborto de 12 para 14 semanas. No Senado, de maioria conservadora, a proposta foi rejeitada.