Publicado às 18h30 desta sexta (20)

Imagens: Max Rodrigues/Farol

Comerciantes do Pátio da Feira Livre de Serra Talhada vivem um clima de caos mais uma vez com prejuízos em mercadorias e por ficarem impedidos de trabalhar devido à situação provocada pelo grande volume de chuvas que caíram nesta madrugada de sexta-feira(20). Eles batem numa velha tecla: cobram solução do governo municipal para evitar novos transtornos. A reportagem do Farol visitou o local nesta manhã e conversou com os feirantes Cida Rodrigues e Francisco Tavares (o Amarelinho da Feira) que relataram o drama que vivem a cada chuva que cai na Capital do Xaxado. Segundo Cida, alguns feirantes tiveram prejuízos que vão desde mercadorias encharcadas à equipamentos eletrônicos queimados.

Cida Rodrigues: “Eu estou no prejuízo” 

”Eu estou no prejuízo porque não pude trabalhar dentro do lixo e dentro da lama, mas minha vizinha aqui, Dona Elvira ficou tudo cheio d’agua, os manequins dentro d’agua, molhou as roupas dela, teve muito prejuízo. Minha outra vizinha, o frizzer dela  ficou dentro d’agua, queimou o frizzer dela. Além de ser uma lagoa, os esgotos ficam tudo entupido de lixo. Não fazem nem uma limpeza, fica cheio de lixo quando chove entope os esgotos, mas a gente não pode dizer nada, tem que ficar calada porque quando agente vai falar com o pessoal da secretaria eles acham ruim, dizem que não, que está tudo certo” relatou.

Francisco Tavares disse que também molhou mercadorias e se queixou da falta de estrutura para a água escoar. Ele diz que chegou a cobrar um retorno do vice-prefeito Márcio Oliveira. ”Por aqui não passa tubulação tem só um cano pequeno ali na frente. Eu falei com Márcio e disse que tinha que colocar um cano de 100 aqui e ele nada. O que é isso? Tem que prestar atenção na pessoa que está precisando do serviço. Molhou muita coisa aqui porque a água não tem por onde sair. Toda vez que chove é assim tem muita coisa molhada no saco”, lamentou o feirante.

Veja também:   Sebastião oferece a guarida aos expulsos do PSB

Francisco Tavares: “Por aqui não passa tubulação”