Publicado às 16h12 desta quinta-feira (30)

Nessa segunda-feira (27), a Ambev, anunciou que a partir desta sexta-feira (1º) os valores das cervejas vão aumentar. A alta pode ser de até 10%. O Farol de Notícias vem acompanhando a opinião dos serra-talhadenses a respeito dos diversos aumentos, que vão desde o feijão e arroz, gás de cozinha, gasolina, luz e ovo. Mais uma vez a reportagem foi às ruas do centro de Serra Talhada para ouvir os cidadãos e saber, dessa vez, suas opiniões sobre os novos valores da cerveja.

FALA POVO ALTA DA CERVEJA

Fotos: Pablo Hávila/Especial para o Farol

Entrevistamos a proprietária de bar, Zuila de Carvalho, 59 anos, que está preocupada com a queda das vendas. “A gente só espera aumento mesmo, cada vez mais o comércio está se decaindo, já teve uma queda grande do consumo, imagine agora, aqui eu já vendo a cerveja a R$ 6 tem local que já vende a R$ 8, mas infelizmente desse jeito vou ter que aumentar”, explicou.

Veja também:   Duque fala sobre cachês da Festa de Setembro

 

 

 

 

O aposentado Eraldo Pereira, 69 anos, já esperava o aumento, mas garante que vai ficar mais difícil consumir cerveja como fonte de lazer. “É normal que tenha o aumento da cerveja, é aumento em cima de aumento, mas é ruim para nós que somos consumidores, a bebida que consumo é a cerveja esse aumento é ruim porque a gente fica sem condições de tomar mais, meu lazer é viajar e tomar minha cervejinha, agora vai ficar mais difícil”, relatou.

 

 

O também proprietário de bar Carlos Rodrigo, 43 anos, acredita que o consumo vai cair, e o comércio que já estava ruim por conta da pandemia vai piorar. “O movimento já está fraco, tem semana que está bem parado mesmo e com esse aumento creio que vai piorar, quem bebia 2 ou 3 cervejas vai beber só 1, vai complicar para comerciante que já vem de uma pandemia desde o ano passado, talvez passem para outras alternativas, como a cachaça, que o preço ainda não subiu muito, apesar de já ter subido também, hoje fui olhar o valor de uma cana no supermercado e já deu uma subida significativa”, salientou.

Veja também:   Marília recebe apoio de Totonho Valadares

 

 

O agricultor Sebastião Aldo Gusmão, 55 anos, relatou que o seu consumo de cerveja já diminuiu, com esse aumento vai ter que optar pela cachaça. “Eu já vou ficar triste, estou bebendo ela aqui, acho que não deveria ter esse aumento, por que aumentar a cerveja? O consumo vai diminuir muito, eu mesmo já estou consumindo pouco, estou tomando mais a cachaça”, relatou.