Do g1

Foto: Reprodução/Divulgação

Após receber novas denúncias, a Polícia Civil passou a apurar também a suspeita de tortura contra crianças na escola infantil particular da Zona Leste de São Paulo. Mães de duas crianças que aparecem em vídeos amarradas e chorando foram ouvidas pela investigação. Elas disseram que seus filhos voltavam para casa feridos e doentes quando saíam do berçário da Escola de Educação Infantil Colmeia Mágica, na Vila Formosa.

A escolinha já era investigada desde a semana passada pelos crimes de maus-tratos, periclitação de vida, que é colocar a saúde das crianças em risco, e submissão delas a vexame ou constrangimento por causa dos vídeos que circulam nas redes sociais e mostram maus-tratos a pelo menos quatro alunos. Eles aparecem amarrados e chorando dentro de um banheiro.

Nesta semana, no entanto, a Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências Diversas (Cerco) da 8ª Delegacia Seccional, decidiu incluir a tortura após ouvir diversos depoimentos sobre como as crianças eram tratadas na Colmeia Mágica.

O g1 conversou com essas duas mães ouvidas pela investigação. Elas levaram ainda para a polícia fotos de seus filhos. Um dos meninos aparece com um machucado na testa e outro está internado em um hospital tomando oxigênio após sentir falta de ar. Os dois ficaram assim depois de deixarem a escolinha.

Menino ferido e outro doente

“Na época eu até mandei mensagem para a diretora perguntando sobre o que tinha acontecido com ele, mas ela não me respondeu. No dia seguinte ela disse que não se recordava de nada, mas que ele podia ter batido em algum brinquedo, até porque, eles vão para a escola e estão sujeitos a se machucar”, disse a autônoma Laura Stramaro, de 34 anos, mãe de um menino de 2 anos.

Em maio de 2021, o filho dela chegou em casa com um hematoma perto da sobrancelha.

“Em novembro do ano passado a diretora e proprietária me ligou dizendo que meu filho estava com dificuldades para respirar. Depois ficou dois dias internado em um hospital para a saturação de oxigênio regularizar”, falou nesta terça-feira (15) a advogada Vitória Costa, 23, mãe de um bebê de 11 meses.

À época as duas mães acharam que os filhos tinham se machucado sozinhos, mas depois de assistirem aos vídeos que mostram seus filhos com os braços imobilizados, enrolados com panos, presos em cadeirinhas de bebê embaixo de uma pia e próximas a uma privada, elas passaram a acreditar que as crianças sofreram maus-tratos.

Veja também:   Flores apresentou números do 1º quadrimestre

A diretora citada pelas mães é Roberta Regina Rossi Serme, de 40 anos. Ela e a irmã, Fernanda Carolina Rossi Serme, de 38, são sócias da Colmeia Mágica. A escolinha foi fundada em 2002 e atende crianças 0 a 5 anos, do berçário ao ensino infantil.

Diretora nega maus-tratos

O g1 não conseguiu localizar a proprietária da escolinha para comentar o assunto até a última atualização desta reportagem. Mas apurou com fontes que apuram o caso que Roberta disse à polícia que desconhece os vídeos que mostram as crianças amarradas no banheiro, que fica ao lado de sua sala.

Em seu depoimento, a diretora reconheceu que as imagens das crianças, sentadas em cadeirinhas de bebês, no chão, embaixo de uma pia e próximas à privada foram gravadas no banheiro da Colmeia Mágica. Mas afirmou não saber quem fez a filmagem e nem quem as amarrou. Ela negou ainda que tivesse imobilizado os bebês ou mandado algum funcionário fazer isso.

André Dias, advogado que defende as donas da Colmeia Mágica, confirmou ao Jornal Nacional que as crianças que aparecem nas imagens frequentam a instituição, mas negou os maus tratos.

“Considerando que a Justiça determinou o sigilo das investigações, algumas informações ainda não podem ser divulgadas. Por exemplo, a pessoa que efetivamente gravou esses vídeos, montou aquela cena pra fazer a gravação dos vídeos, e também ainda não podemos divulgar o apoio externo que essa pessoa recebeu pra fazer a confecção desses vídeos.”

“A escola reconhece os alunos, o ambiente, aparentemente é dentro da escola”, falou André. “Porém as circunstâncias com que os vídeos foram gravados não condizem com a realidade da escola. Foi feito sem nenhum conhecimento por parte das diretoras, das demais professoras.”
Ainda de acordo com a defesa das irmãs Serme, as imagens das crianças amarradas foram forjadas por outras pessoas que querem prejudicar as donas da escolinha.

Professora teria filmado

Mães de crianças, que tinham seus filhos matriculados na Colmeia Mágica, disseram ao g1 que Roberta convocou uma reunião de emergência com os pais na última sexta-feira (18), quando voltou a negar que tivesse cometido maus-tratos contra as crianças.

“A diretora disse que uma ex-funcionária descontente estava fotografando crianças em situação fora do contexto para prejudicar a escola”, falou a advogada Vitória Costa, de 23 anos, mãe de um menino de 11 meses. “Na reunião nenhum dos pais tinha visto o vídeo dos maus-tratos ainda. Saímos de lá então acreditando na versão dela”.
Essa ex-funcionária é uma professora, segundo os pais. Professoras ouvidas pela reportagem disseram que a própria diretora amarrava as crianças para elas ficarem quietas. Em outras oportunidades, segundo elas, Roberta obrigava as educadoras e outras funcionárias a fazerem isso.

Veja também:   Suspeito de matar a tiros Maria das Dores é preso em ST

A declaração de Roberta aos pais foi dada um dia depois de a polícia ter ido a Colmeia Mágica cumprir um mandado judicial de busca e apreensão. Foram recolhidos sete lençóis que teriam sido usados para amarrar os bebês que aparecem nos vídeos. Três celulares, incluídos o da diretora, acabaram apreendidos. Todos os objetos serão periciados.

A professora que teria tirado fotos e feito vídeos com as crianças amarradas já foi ouvida pela polícia. A reportagem não conseguiu apurar, porém, o que ela disse. A investigação ouviu a direção, professores e funcionários e está pegando depoimentos de pais para saber se alguém pode ser responsabilizado pelos maus-tratos contra os bebês.

Outros casos

Mães acusam a diretora da Colmeia Mágica de cometer e estimular os maus-tratos contra as crianças da escolinha. A escolinha ou a diretora já foram envolvidas em ao menos outros três casos que acabaram na delegacia.

Em 2010, uma menina de pouco mais de 3 meses de vida morreu após ter sofrido parada cardíaca no berçário. A morte dela foi confirmada pelo hospital para onde a criança foi levada. A polícia investigou o caso como “morte suspeita”. Segundo a mãe da bebê, o inquérito foi arquivado.

Em 2014 uma mãe acusou a diretora de agredir seu filho de 2 anos, que ficava na escolinha. As duas mulheres acabaram brigando, segundo a polícia. E em 2017 teve um caso no qual uma adolescente de 14 anos acusava a diretora de ameaçá-la e xingá-la.

O g1 procurou a Secretaria da Segurança Pública (SSP) para atualizar os casos, mas a pasta não havia retornado os contatos.

Protestos

Os portões da Colmeia Mágica chegaram a ser pichados com mensagens de protesto por causa dos vídeos com as crianças.

Durante a semana, a direção chegou a cobrir as pichações com tinta escura. Nesta terça-feira (15), no entanto, os pais voltaram a se manifestar em frente ao local levando cartazes para pedir “justiça”. A escola suspendeu as aulas nesta semana.