Da Folha de PE

Uma semana depois da divulgação do balanço do último trimestre da Netflix, que revelou uma perda de 200 mil assinantes da plataforma, o que chocou investidores, a empresa demitiu em torno de 150 funcionários contratados do Tudum, um site que promove filmes e programas de TV no serviço de streaming.

A demissão em massa faz parte de uma reestruturação do departamento de marketing da empresa, segundo duas fontes da Bloomberg, que pediram para não serem identificadas. A maioria dos cortes, que representam menos de 2% dos 11 mil funcionários da empresa, aconteceu nos Estados Unidos.

O chefe de marketing de alto nível da Netflix, Bozoma Saint John, renunciou no mês passado. A big tech disse que não está se livrando do Tudum, que aprofunda o conteúdo do serviço e recomendações, com listas como “15 documentários sobre crimes reais assassinos para assistir”.

Tudum – nome da onomatopeia que os espectadores escutam quando usam o aplicativo Netflix – é uma iniciativa mais recente da empresa que começou como um festival de fãs no Brasil, antes de ser expandida para incluir editoriais e promoções. Vários funcionários foram ao Twitter na quinta-feira para anunciar suas saídas.

“A Netflix me recrutou sete meses atrás apenas para demitir a mim e a um monte de outras pessoas talentosas hoje”, twittou Evette Dionne, que era gerente editorial e de publicação da rede de streaming, de acordo com seu perfil no LinkedIn.

Recentemente, a Netflix foi alvo de uma ação judicial de acionistas em um tribunal americano. O grupo acusa a empresa de streaming de enganar o mercado sobre sua capacidade de continuar adicionando assinantes nos últimos meses.

Veja também:   Lula aponta com 47% e Bolsonaro com 28%

A ação, protocolada no Tribunal Federal de São Francisco no início de maio, pede indenização por quedas no preço das ações da Netflix neste ano, depois que a companhia admitiu que não vai atingir suas metas de crescimento de assinantes.