“Vamos assumir na íntegra tudo o que eles colocaram na pauta para o ano de 2013”. Essa foi a garantia dada pelo diretor do complexo educacional Fafopst/Aeset (Faculdade de Formação de Professores e Autarquia Educacional de Serra Talhada), Pedro Melo, a estudantes e docentes do curso de Serviço Social (Fachusst). O coordenador ratificou as exigências logo após um grande protesto, ocorrido na noite da última quinta-feira (29), que culminou na paralisação das atividades de ensino em parte do centro educacional por tempo indeterminado.

Em entrevista à rádio Cultura FM, ainda naquela noite, Pedro Melo prometeu respeitar as cobranças e segui-las na íntegra, anunciando a abertura de edital para concurso público já em 2013 e criação de um plano de Cargos e Carreira. Além disso, garantiu em melhorar a infraestrutura das salas de aulas climatizando-as, e também, caso seja necessário, fechar contratos de 11 meses com professores. “Nós vamos assumir realmente na íntegra tudo o que foi pedido e faremos os novos contratos, agora, de 11 meses, se for o caso, já que teremos concurso público”, ratificou Pedro Melo.

O diretor da autarquia negou que a instituição esteja ameaçando proibir que alunos colem grau por falta de pagamento de mensalidades. “Isso não procede. O aviso (de proibição) que foi colocado (nas paredes da instituição) não foi combinado comigo. Mas eu quero tranquilizar as turmas que irão se formar em dezembro e garantir que todos os alunos irão colar grau. Esse aviso que colocaram aí não procede. Os alunos fiquem tranquilos”, ratificou o diretor da Fafopst.

SAIBA MAIS

Existe um projeto de lei na Câmara Municipal de Serra Talhada (CMST), desde o ano passado, que valida a abertura de edital para concurso público de professores na Fafopst. Na época em que foi apresentado aos parlamentares, em novembro de 2011, o projeto causou polêmica pelos baixos salários estipulados aos docentes (leia mais aqui), segundo alegaram vereadores.

Veja também:   Sem verbas, ONG pode fechar portas em ST

A prefeitura enviou à CMST um Projeto de Lei Complementar que cria 157 cargos na estrutura da Faculdade de Formação de Professores e também da Autarquia Educacional (Aeset). No plano, são 70 cargos de professor do ensino superior, 22 para professor do ensino médio e fundamental. Além disso, 20 vagas para auxiliar de serviços gerais, 35 para agente administrativo, 2 para técnico em informática, 3 vagas para motorista, 3 bibliotecários e 2 pedagogos. Pelo projeto, todos os cargos deverão ser preenchidos via concurso público.