Publicado às 20h50 desta sexta (5)

Por Manu Silva/Especial para o Farol

A reportagem do Farol conversou nesta noite com artistas e produtores de eventos da cidade que demonstraram bastante emoção e pesar pela tragédia com a “Rainha da Sofrência”. O avião em que vinha Marília Mendonça, 26 anos, caiu no final desta tarde matando cinco pessoas [veja o vídeo]. Três das mais conhecidas cantoras serra-talhadenses da nova geração relataram que tem em seus repertórios sucessos dela, a qual consideram como uma grande referência.

Cantoras serra-talhadenses lamentam morte de MaríliaFabíola Leite vem de uma grande família de músicos e contou que nesta quinta-feira (4) se apresentou em um dos bares locais e cantou pelo menos 15 músicas de Marília Mendonça a pedido do público que a acompanhava. Segundo ela, sua mãe Maria Leite era uma grande fã e estava aos prantos após saber do ocorrido.

“Estou muito abalada. Desde que ela apareceu no cenário musical se tornou uma referência para mim. Referência de voz, letras, de intérprete e de humildade. Impressionante como a morte de uma pessoa pública mexe com a gente, tenho que cantar hoje porque é trabalho e precisamos continuar. Ontem mesmo cantei Marília e as pessoas me pediram muitas músicas dela, acho que foram umas 15 músicas que cantei de todas as épocas da carreira dela. Vi hoje os stories dela ligando para os fãs, exaltando quem mais apoiava o trabalho dela. Quando ia fazer shows no interior da Bahia e no Sergipe as pessoas me chamavam de Marília Mendonça do Nordeste. Não sei como vai ser quando cantar ela hoje. Até minha mãe que é uma grande fã está arrasada, levamos ela para aferir a pressão porque está aos prantos”, detalhou.

Veja também:   Catingueira de metal em ST nos convoca a reflexão

Saindo em viagem para um show em Triunfo, Ítala Carvalho comentou ao Farol o quanto a classeCantoras serra-talhadenses lamentam morte de Marília artística coloca em risco a própria vida para conseguir trabalhar e relembrou sua experiência ao conhecer a cantora. A voz potente de Ítala também trazia em suas apresentações diversos sucessos da cantora nacionalmente reconhecida.

“Estou em choque! Assim como todos estão.  Nós artistas arriscamos nossas vidas para levar o nosso trabalho para as pessoas que nos admiram. A Marília era luz. O contato que tive com ela, ela conseguiu me transmitir uma energia maravilhosa. Que Deus conforte os familiares, amigos e todos nós que amamos o trabalho e a pessoa dela”, disse Carvalho.

Veja também:   Idoso é encontrado morto em Serra Talhada

Cantoras serra-talhadenses lamentam morte de MaríliaO depoimento mais emocionado entre as cantoras da Capital do Xaxado foi da cantora e compositora Bruna Magalhães. Bastante consternada, Bruna contou que sonhava em ter uma de suas letras gravadas por Marília Mendonça e chegou a escrever seis canções e enviar para sua produção. No seu repertório a música Infiel, que marcou sua vida e histórias com suas amigas, era um dos momentos especiais em homenagem a sertaneja.

“Eu estou estraçalhada! Sou muito fã de Marília, estou sentindo muito a morte dela. Não cheguei a conhecer, mas fui aos shows dela aqui em Serra e cantava muito ela. Peço muito a Deus que ela tenha conhecido Jesus em vida. Eu pedia muito a Deus para conhecer ela, compus seis músicas e enviei para uma campanha que ela lançou no projeto Patroas, que tinha com Maiara e Maraisa. Um dos meus grandes sonhos era ter uma música gravada com ela. E no meu show atual canto Infiel, grande sucesso dela que marcou minha história, minha vida com minhas amigas. Ela era inspiração, nas letras, nas músicas, em tudo”, lamentou Bruna.

Veja também:   Serra Talhada estreia com derrota para o Salgueiro em jogo que teve pênalti e até 'apagão'

PRODUTORES DE SHOWS

O produtor de eventos Marcos Belo, da M2 Shows e Eventos, também comentou a inestimável lacuna que a morte de Marília Mendonça deixa na música atual. Relembrou os momentos que esteve ao lado da cantora e da dor que a tragédia trouxe, assim como foi com o artista Gabriel Diniz, um de seus amigos pessoais.

“Estava há pouco conversando com Mauricinho Melo e falamos que passa um filme na nossa cabeça ao relembrar a morte de Gabriel, aconteceu da mesma forma. É um baque para a gente, jamais passa pela nossa cabeça acontecer algo assim. Estou em estado de choque e sem palavras, participamos da negociação para trazer Marília para Serra Talhada a primeira vez, ela estava começando a carreira. O primeiro show dela em Pernambuco foi aqui, então ela sempre foi muito grata a Serra Talhada. Nos bastidores se mostrava sempre uma pessoa alegre, brincalhona, tranquila e alto astral. A lacuna que ela deixa na música brasileira atual é insubstituível, assim como Gabriel Diniz deixou e até hoje ninguém conseguiu fazer nada igual, é a trajetória de Marília Mendonça. Artista única”, finalizou o produtor.