Assessores 'derrubam' argumentos de Gin com números de Márcia

Fotos: Farol de Noticias-Licca Lima

Publicado às 10h50 desta terça-feira (31)

Advogados, assessores e parte do corpo técnico do deputado Luciano Duque (SD) convocaram a imprensa, nesta terça-feira (31), e derrubaram todos os argumentos lançados pelo líder do Governo, Gin Oliveira, que na semana passada, anunciou na tribuna da Casa Joaquim de Souza Melo, que Duque teria deixado um débito para prefeita Márcia Conrado, superior a R$ 24 milhões.

Utilizando uma vasta documentação e planilhas dos órgãos de controle, o administrador de empresas e assessor especial do gabinete Duque, Divonaldo Barbosa, detalhou toda a movimentação contábil das gestões Duque, e foi muito claro ao assegurar que o então prefeito deixou um saldo em caixa para Márcia Conrado superior a R$ 14 milhões.

Veja também:   Acidente em mina na Sibéria deixa 6 mortos e 49 desaparecidos

“O vereador apresentou uma ‘tabelinha’ com supostas dívidas e viemos para rebater, após estudo com um corpo técnico formado por contadores e advogados. Não fizemos um trabalho de rascunho. Na verdade houve informações dos restos a pagar. Luciano Duque entregou a prefeitura com um saldo em conta de R$ 21.611,867,81. Débitos foram quitados, e o saldo líquido foi de R$ 14.428,241,27. Tudo isso está aberto para todos nos órgãos de controle, e não em tabelinha”, disparou Barbosa.

Ainda durante a explanação, Divonaldo Barbosa afirmou que se fossem agir com a tática de Gin Oliveira, poderiam afirmar que o governo Márcia acumula débitos superior a R$ 45 milhões. “Não faremos como ele. Espero que tenha agido por ignorância, e não má fé. Ele (Gin) mostrou uma conta fantasiosa e não real”, cravou o assessor.

Veja também:   Suspeito de praticar furtos em Serra Talhada é liberado

ADVOGADOS

O corpo jurídico do deputado Luciano Duque, representado pelos advogados Miguel Duque e Renato Godoy, também fizeram parte da coletiva, e negaram qualquer ação jurídica contra o parlamentar, em nome da liberdade de expressão e o gozo da imunidade parlamentar. “Estamos aqui para esclarecer os fatos. Acho que o vereador praticou ‘atecnia’ (falta de técnica e conhecimento sobre o assunto). Estamos aqui para esclarecer os fatos”, reforçou Miguel Duque.

Assessores 'derrubam' argumentos de Gin com números de Márcia