Da Folha de PE

O Catar espera receber até 200.000 viajantes aéreos por dia durante a Copa do Mundo, disse um alto funcionário do Catar, embora só permita que viajantes com ingressos para jogos entrem em seu território.

O aeroporto internacional Hamad e o antigo aeroporto internacional de Doha terão sua capacidade dobrada para atender mais de 200.000 viajantes por dia, disse Akbar al-Baker, presidente e CEO da Qatar Airways, durante uma entrevista coletiva.

Com o objetivo de aumentar as pontes aéreas com os 31 países classificados (além do anfitrião Catar), os voos com as nações que não participam do torneio serão interrompidos ou reduzidos, disse o presidente da Autoridade de Turismo do Catar.

O pequeno e rico emirado espera receber entre 1,2 e 1,4 milhão de fãs entre 21 de novembro e 18 de dezembro.

Somente viajantes com ingressos para os jogos poderão entrar no país durante as quatro semanas da competição (21 de novembro a 18 de dezembro), disse um membro do Comitê Organizador da Copa do Mundo na última quinta-feira (26).

Os torcedores só receberão sua autorização, na forma de um cartão chamado Haya, depois de apresentarem seus ingressos para o jogo, disse Saïd Al Kuwari, diretor da plataforma digital Haya para os organizadores. “As únicas pessoas que entrarão no país durante o torneio serão aquelas com um cartão Haya”, disse ele à AFP.

As companhias aéreas Saudia, Kuwait Airways, Flydubai e Oman Air vão organizar mais de 160 voos de ida e volta a partir de 20 de novembro, disse ele.

Autoridades estimam que mais de 20.000 torcedores podem chegar de outros países do Golfo todos os dias para assistir à primeira Copa do Mundo a ser disputada no Oriente Médio.

Veja também:   Alemanha quer facilitar mudança de nome para pessoas transgênero

Ibrahim Koshy, diretor geral da Saudia, especificou que a empresa garantirá pelo menos 30 voos diários de ida e volta partindo da capital saudita Riad e Jeddah, a grande cidade do oeste do reino.

A Flydubai agendará pelo menos 30 voos de ida e volta, Kuwait Airways 10 e Oman Air 24, disse al-Baker.

Além de seus próprios cidadãos, os países do Golfo abrigam milhões de expatriados do resto do mundo.