Publicado às 05h20 desta sexta-feira (25)

Informe Publicitário

 

Já pensou em morar em um condomínio fechado? Muita gente decide viver nesse tipo de moradia na busca de qualidade de vida. A pergunta mais frequente é: quanto custa morar em um condomínio fechado? Saiba que o valor do investimento é pequeno comparando com as vantagens obtidas por meio dos serviços prestados aos condôminos.

Para ajudá-lo a entender os benefícios, decidimos publicar este artigo. Então, leia com atenção para verificar se isso tudo faz sentido pra você. Vamos lá?

1. Segurança

Quando falamos em segurança, não estamos nos referindo apenas às estratégias adotadas para combater a ação de criminosos, mas também aos benefícios no dia a dia das pessoas com a sensação de segurança.

Sentir-se seguro é algo muito importante. Poder dormir com a janela aberta, deixar as crianças brincarem nas áreas de lazer, ser avisado de que alguém está esperando na portaria, são exemplos disso. Tal tranquilidade faz parte da rotina de quem opta por viver em condomínio. Se você quer experimentar uma sensação de segurança mais efetiva com menos gastos, viva em um condomínio.

2. Áreas de lazer

As casas têm os seus quintais, que podem ser amplos ou pequenos. Em alguns casos, eles nem existem, pois o proprietário decidiu usar todo o espaço disponível para construção. Sendo assim, os moradores das casas dependem das áreas públicas, como parques, bosques e quadras para terem um pouco de lazer nas suas rotinas. Como sabemos, isso não é possível em todas as cidades nem em todos os bairros. Por outro lado, os condomínios contam com áreas de lazer. Estes espaços sempre fizeram parte dos projetos condominiais e com o passar dos anos, eles ganharam reforços.

Para quem gosta de festejar, receber a família e os amigos para um churrasco, existem os salões de festas, que possuem espaços amplos e agradáveis, por exemplo.

3. Menos barulho

Cada pessoa tem um cotidiano diferente. Por isso, um vizinho pode prejudicar muito o descanso do outro quando ele desrespeita a Lei do Silêncio. Tal lei estabelece que não deve haver barulho antes das oito horas da manhã e depois das dez da noite. O problema é que quando se vive em uma casa tradicional, a única autoridade que pode garantir o cumprimento dessa legislação é a Polícia Militar. Cabe ao cidadão telefonar para as autoridades clamando por solução.

Veja também:   Flores inicia campanha contra obesidade infantil

Quem escolheu viver em condomínio conta com um forte aliado na hora de fazer cumprir o respeito à Lei do Silêncio: o regimento interno. Os moradores que descumprem os acordos internos podem ser multados e, quando não são proprietários, eles podem ser expulsos do local. Além disso, o morador não precisa se indispor com o seu vizinho, basta contatar o porteiro ou o síndico e pedir para que ele avise sobre o barulho e o incômodo.

4. Manutenção das áreas comuns

Cuidar de um jardim, de uma piscina ou mesmo de um salão de festas dá muito trabalho e custa bastante dinheiro. Por isso, quando vemos uma casa malcuidada, com um quintal em péssimas condições, é possível que aquele proprietário não tenha tempo nem dinheiro para realizar a devida manutenção.

Em um condomínio essa situação é mais rara. Em primeiro lugar porque existem profissionais contratados para realizar esses cuidados. A presença de um zelador é fundamental para deixar tudo limpo e organizado, de modo que os visitantes fiquem encantados com o local.

Outro ponto importante é a presença do síndico. Este morador assume a obrigação de fiscalizar as manutenções dos espaços internos do condomínio. Portanto, se o jardim não está devidamente bem-cuidado, se a piscina não está limpa e se as áreas comuns não estão prontas para serem usados, os moradores têm a quem reclamar.

Isso também vale para as manutenções de segurança, como as câmeras de vigilância. Algumas delas, inclusive, devem ser feitas de forma periódica e registradas no livro do condomínio, além de gerarem recibos que precisam ser apresentados aos outros moradores. Tudo de maneira transparente e segura.

5. Redução dos custos de moradia

Veja também:   'Supremacia branca é um veneno', diz Biden sobre massacre

Se você ainda tem dúvidas sobre o quanto custa morar em condomínio fechado, saiba que os valores dos serviços diferenciados são compartilhados, por essa razão tais gastos são pagos pelos condôminos gerando benefícios para todos. Os custos que podem ser divididos são aqueles direcionados como segurança, limpeza, manutenção de playground, jardim, salão de festas e toda área comum.

Esses custos do condomínio fechado serão repartidos entre os condôminos. Já em uma casa construída em um loteamento aberto ou rua convencional, todas as despesas com manutenções e reformas que precisam ser realizadas ficam por conta de um único proprietário ou dependendo do serviço público.

6. Fazer parte de uma vizinhança

Outra vantagem de morar em condomínio fechado é que esses locais estimulam o sentimento de comunidade. Além dos espaços comuns que são divididos, é normal que existam eventos nos quais os moradores do lugar se encontrem para fazer happy hours e festas de família. Um ponto interessante para aqueles que têm filhos é o fato de que as crianças farão novos amigos, fator muito importante para o desenvolvimento social delas. A vida em condomínio fechado torna-se mais leve para todos.

7. Aumento da qualidade de vida

Todos desejam morar em locais onde haja conforto e qualidade de vida. Esse é mais um ponto positivo. Para quem gosta de natureza, morar em condomínio fechado é uma ótima opção, visto que nos finais de tarde é possível dar uma caminhada entre as árvores. O condômino pode fazer um passeio ciente de que estará seguro, o que garante a qualidade de vida dos moradores.

Como vimos, morar em condomínio fechado apresenta muitas vantagens. Se você está pensando em comprar a sua casa própria ou lote para construção, te convidamos para conhecer o Condomínio Villa Verde. Entre no link abaixo, faça seu cadastro e receba maiores informações do relançamento pronto para construção.

https://www.villaverdecondominio.com/pagina