Do G1

O brasileiro Luiz Gustavo Lotte, de 21 anos, que foi atropelado em 8 de março, em Nova York, nos Estados Unidos, acordou do coma e se recupera lentamente após 3 meses de tratamento. O jovem de Sorocaba (SP) passou por oito procedimentos cirúrgicos, conforme a família.

O brasileiro foi atropelado quando atravessava uma faixa de pedestres e chegou a ser arremessado a 20 metros de distância. O motorista fugiu do local, mas foi identificado e preso pela polícia local.

Ao g1, a Justiça de Nova York informou nesta quinta-feira (9) que Christopher Capuano, de 35 anos, foi indiciado no dia 31 de março e o caso está pendente. O réu foi solto e está em liberdade supervisionada, mas deve comparecer ao Tribunal Criminal de Queens, ainda este mês, no dia 21. A defesa dele não respondeu aos questionamentos até a publicação desta reportagem.

Guga Mendonça, o pai de Luiz Gustavo, está em Nova York e acompanha o tratamento delicado do filho, que apesar de ter acordado do coma, apenas mexe o olho, a boca e tem reações leves com estímulos por todo o corpo. Guga contou nesta quinta-feira ao g1 que o filho acordou do coma e que, agora, a família está em busca de um tratamento com fisioterapia para o rapaz.

O g1 questionou o hospital sobre os procedimentos que ainda devem ser feitos, assim como a fisioterapia do jovem, mas não teve retorno até a última atualização da reportagem.

Arremessado a 20 metros

A polícia de Nova York havia identificado o motorista no fim de março, afirmando que ele tinha fugido do local e o prendeu na investigação por causar ferimentos graves a outra pessoa, imprudência, fugir da cena do crime, condução perigosa e por não obedecer às leis de trânsito.

Veja também:   Apac emite novo alerta e Governo de PE é cobrado

A família acredita que, pelo horário e pelo local, Luiz Gustavo estava saindo da academia quando foi atropelado. O rapaz foi levado por uma ambulância ao hospital.

O maior problema na recuperação do jovem, segundo o pai, é a lesão provocada no crânio, mas ele chegou ao hospital também com costelas, ombro e pescoço quebrados.

Vida nos EUA

Luiz Gustavo foi para os EUA em março de 2020, pouco antes de a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar pandemia de coronavírus, e estava lá desde então, pois tinha decidido tentar a vida na cidade.

Luiz conseguum emprego em uma empresa de publicidade. O jovem já tinha parentes que moravam em Nova York, como os avós maternos e um tio.