Do CNN

Os advogados que defendem a estrela da WNBA, Brittney Griner, disseram aos juízes do tribunal de Khimki da região de Moscou, nesta sexta-feira (15), que Griner recebeu cannabis medicinal para “dor crônica grave”.

A equipe de defesa de Griner apresentou ao tribunal russo uma carta de um centro médico dos Estados Unidos emitindo uma autorização no estado do Arizona para o uso de cannabis medicinal para Griner tratar sua dor crônica, causada por lesões esportivas.

“Em 18 de maio de 2020, Brittney Griner foi submetida a um exame clínico. A paciente se queixou de dor crônica aguda devido a múltiplas lesões no tornozelo, além de lesões e dores sofridas durante sua carreira esportiva. O paciente se queixou de dor no meio das costas, lombar, joelhos e dor no tornozelo”, disse a advogada de Griner, Maria Blagovolina, enquanto lia a carta no tribunal.

Veja também:   Trump tem três passaportes confiscados pelo FBI

Blagovolina apresentou a carta como evidência junto com os resultados dos exames médicos de 2018 e um relatório médico de um médico americano de 2020 confirmando que Griner tinha “uma doença crônica debilitante causada por dor crônica severa”.

O médico aconselhou sua paciente, Brittney Griner, a usar cannabis medicinal devido à “condição médica crônica e debilitante” diagnosticada que “causou dor crônica e aguda”, segundo Blagovolina.

Contexto

Griner chegou ao tribunal de Khimki nesta sexta-feira (15) para uma quarta audiência em seu julgamento, depois de se declarar culpada de acusações de drogas.

Sua audiência na quinta-feira terminou sem um veredicto.

O duas vezes medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de basquete dos EUA foi preso em 17 de fevereiro em um aeroporto de Moscou, uma semana antes de a Rússia invadir a Ucrânia .

Veja também:   Europa apresenta mais de 660 mil hectares de florestas queimadas

Autoridades russas disseram que ela tinha óleo de cannabis em sua bagagem e a acusaram de contrabandear quantidades significativas de uma substância narcótica.

A audiência de quinta-feira aconteceu quando muitos na WNBA, juntamente com outros atletas, treinadores e políticos, pediram a libertação de Griner por temores de que ela esteja sendo usada como peão político em meio à guerra na Ucrânia.

“Só queremos ter certeza de que o nome dela está lá fora, que as pessoas conheçam sua história”, disse Sue Bird, que jogou com Griner no Team USA, a Jake Tapper, da CNN, nesta quinta-feira (14).

“Queremos apoiar a administração. Queremos ter certeza de que eles estão fazendo tudo o que podem. Então, alguns podem chamar isso de um pouco de pressão, (mas) estamos chamando de suporte, e só queremos ter certeza de que o nome dela está lá fora”.

Veja também:   Médicos radiologistas se unem para trazer novos serviços para ST