Do g1

Foto: Reprodução

O cabeleireiro Neandro Ferreira fará uma sátira gay do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), durante o desfile da escola de samba Gaviões da Fiel em São Paulo.

“Será um Bolsonaro com muita pinta e samba no pé”, disse Neandro.

O samba-enredo da escola, intitulado “Basta”, fala sobre desigualdade social e as diversas facetas dessa divisão.

Neandro disse que ele usará uma faixa presidencial e estará acompanhado de uma bailarina que representará a primeira-dama, Michele Bolsonaro.

É a primeira vez que o cabeleireiro desfilará em uma escola de samba do grupo especial em São Paulo.

“Só aceitei desfilar porque o tema da escola me representa muito, é ‘Basta’. Estou super empolgado e isso me atraiu. Sou muito engajado na causa antifascista e o fato do enredo ser contra o Bolsonaro e pelo fim do machismo em nossa sociedade tem tudo a ver comigo”, disse ele.

“Chega de Bolsonaro, de machismo e de desigualdade social”, defendeu.

Em nota divulgada nas redes sociais, a Gaviões da Fiel desmentiu Neandro e disse que se trata de “desinformação”. A escola também diz se tratar de um “equívoco” do cabeleireiro, e que ele interpretará um “governante fascista”.

“Em resposta a matéria veiculada hoje (19/04), por alguns órgãos de imprensa e em especial a Folha de S.Paulo, o Grêmio Gaviões da Fiel esclarece que as informações não são verdadeiras, tratando-se de “fake news”, com objetivo de imputar a agremiação suposta desinformação a respeito sobre sua atividade. Destacamos que o enredo da Gaviões da Fiel traz uma mensagem cultural, não tratando de questões políticas ou de apoio partidário em geral. Os nossos valores estarão bem representados na pista, quais sejam: DEMOCRACIA, IGUALDADE, SUSTENTABILIDADE e PAZ. Nascemos para combater e fiscalizar a política do Sport Club Corinthians Paulista e esse sempre será o nosso lema. BASTA! Carnaval 2022.”

Veja também:   STF autoriza licença de 180 dias para servidor pai solo

O enredo

O enredo aborda as desigualdades. “Alguns insensíveis esbanjam suas fortunas, enquanto milhares trabalham até a exaustão ou morrem de fome. Toda essa riqueza é fruto do sangue e do suor de incansáveis trabalhadores, que, dia a dia, se entregam a impiedosas jornadas de exploração e desrespeito”, afirma a escola.

A escravidão é um dos assuntos citados no enredo, que discute o papel dos senhores de engenho que enriqueceram através do trabalho de homens e mulheres escravizados.

Basta!

Autores: Grandão, Sukata, Jairo Roizen, Morganti, Guinê, Xérem, Claudio Gladiador, Ribeirinho, Claudinho, Meiners, Luciano Costa, Felipe Yaw, Marcelo Adnet, Fadico, Júnior Fionda, Lequinho, Fábio Palácio (Mentirinha), Leonel Querino, Altemir Magrão, Marcelo Valente, Sandro Lima e Rodrigo Dias

Intérprete: Ernesto Teixeira

Letra

Sou eu, o filho dessa pátria-mãe hostil
Herdeiro da senzala Brasil
Refém da maculada inquisição
Axé meu irmão!
O pai de mais um João e de mais um Miguel
Na mira da cega justiça que enxerga o negro como réu
Sou eu o clamor da favela
O canto da aldeia, a fome do gueto
Meu punho é luz de Mandela
No samba o levante do novo Soweto
Cacique Raoni da minha gente
Guerreiro gavião, presente!
Essa terra é de quem tem mais
Conquistada através da dor
As migalhas que você me oferece
Só aumentam minha força pra mostrar o meu valor
Meu lugar de fala, a voz destemida
Cabeça erguida por nossos direitos
Quando o fascismo do asfalto
É opressor à militância por respeito
O ventre das mazelas sociais
Ante ao preconceito vai se libertar
Vidas negras nos importam
O grito da mulher não vão calar
Meu gavião chegou o dia da revolução
Onde a democracia desse meu Brasil
Faça o amor cantar mais alto que o fuzil
Escute o meu clamor
Oh, pátria amada
É hora da luta sair do papel
Basta é o grito que embala o povo
Eu sou Gaviões, sou a voz da fiel

Veja também:   Mãe confessa ter matado três filhos com a ajuda do mais velho