Polícia diz que 'não restam dúvidas' sobre crime brutal em STPublicado às 14h14 desta sexta-feira (29)

A Polícia Civil de Serra Talhada revelou à reportagem do Farol de Notícias nesta sexta-feira (29) que ‘não restam praticamente mais dúvidas’ sobre a autoria do assassinato brutal que vitimou a dona de casa Maria Aparecida da Silva (Cida), 30 anos, ocorrido na semana passada na Capital do Xaxado.

O inquérito já está em fase final. De acordo com os investigadores, em conversa com o Farol, tudo leva a crer que o ex-marido de ‘Cida’ tenha mesmo praticado o crime. Após descobrirem o corpo da doméstica enterrado em uma vala no bairro da Malhada [veja aqui] o suspeito desapareceu.

Veja também:   Número de infectados dá um salto preocupante nesta 4ª; Serra registra 70 casos de Covid em 24h

“Hoje ele é considerado foragido da polícia”, disse o comissário especial de Polícia Civil Cornélio Pedro da Costa. Ele conta que já foram realizadas ouvidas de quase dez pessoas no caso. Prestaram depoimentos familiares da vítima e do ex-marido. “Já ouvimos de 6 a 8 pessoas inclusive a mãe dele disse que tinha certeza da autoria do crime por parte do filho”, comentou Pedro da Costa.

AGRAVANTES

A Polícia Civil ainda vem coletando pistas sobre o caso que apontam a materialidade do crime na direção do ex-marido. No dia em que o corpo da doméstica foi encontrado, os investigadores identificaram na casa em que o suspeito morava as roupas de ‘Cida’, seus óculos e documentos.

Veja também:   Interior enfrenta crise com falta de oxigênio

“Tudo isso estava dentro de uma bolsa do ex-marido dentro da casa dele”, informou Cornélio Pedro da Costa. O policial conta que o crime possui agravantes, já que além de feminicídio, houve também ocultação de cadáver e requintes de crueldade.

Ela foi encontrada despida e amarrada dentro de um saco plástico. A polícia acredita que Aparecida da Silva possa ter sido morta estrangulada ou por sufocamento.

O ex-marido, no início de setembro, já havia tentado matar ‘Cida’ enforcada. O caso foi parar na delegacia, quando a vítima prestou queixa, gerando medida protetiva, que supostamente acabou sendo descumprida [veja aqui].

Veja também:   Japão apresenta opções de mascotes para Olimpíadas