Da ISTOÉ

Ao menos 15 pessoas morreram, sete ficaram feridas e mais de 500.000 pessoas afetadas. Este foi o balanço de uma dezena de deslizamentos em povoados indígenas provocados por chuvas intensas que castigam a Guatemala desde o começo de maio, informou a Devesa Civil nesta segunda-feira (13).

Entre as 15 vítimas fatais de deslizamentos de terra estão uma mãe e seis filhos, assim como três irmãos menores, originários de dois povoados indígenas, segundo a Coordenadora para a Redução de Desastres (Conred).

Também foram evacuados a locais seguros 1.965 pessoas e 60 permanecem em abrigos, segundo as incidências registradas pela Conred.

As chuvas acompanhadas de fortes ventos que castigam a Guatemala desde o começo de maio, provocaram deslizamentos de terra, inundações, colapsos estruturais e afundamentos na maior parte deste país centro-americano.

O relatório da Conred detalha que 930 residências foram afetadas por danos leves, moderados e severos; enquanto isso, oito escolas, 85 rodovias e sete pontes têm danos leves; enquanto isso, quatro rodovias e três pontes foram destruídos.

As regiões mais afetadas são povoados indígenas, as populações mais vulneráveis a desastres naturais. Na Guatemala, quase 60% de seus 17 milhões de habitantes vivem na pobreza.

Anualmente, a temporada chuvosa, que começa em maio e se estende a novembro, provoca dezenas e até centenas de mortes na América Central, uma das regiões mais vulneráveis às mudanças climáticas.

Veja também:   Greve de motoristas e cobradores paralisa mais de 6 mil ônibus