Do G1

Antuérpia, cidade portuária no norte da Bélgica, é uma das maiores portas de entrada de drogas da Europa. O seu porto, considerado o segundo maior do continente, só perde para o de Rotterdam, na Holanda. Para se ter uma ideia da dimensão do tráfico de drogas na Antuérpia, apenas no primeiro semestre deste ano a alfândega belga apreendeu 29 toneladas de cocaína, cerca de 24% a mais do que no mesmo período do ano passado. Cerca de 30% vinham do Brasil.

“Está claro que a máfia das drogas não ficou com os braços cruzados, tirou proveito da crise mundial em que estamos mergulhados”, afirmam autoridades fiscais do país. A maior parte da cocaína que chega na Antuérpia é logo transportada para a Holanda, de onde é distribuída para outros países europeus.
Atualmente, o Brasil e o Equador são as duas maiores plataformas de trânsito para o tráfico da droga na Bélgica. Mais de 15 toneladas da droga saíram dos dois países e foram enviadas para o exterior, no ano passado. De acordo com a alfândega belga, o Brasil tem mais conexões marítimas com a União Europeia, além de várias quadrilhas ativas, o que dificulta o controle. Nos últimos anos, a proporção total de remessas da Colômbia caiu, enquanto que apreensões provenientes da Costa Rica, Paraguai e Peru aumentaram.

Além da cocaína, a Antuérpia serve também de passagem para heroína e maconha. Muitas vezes as drogas são escondidas em caixas de frutas, jóias, chocolates, pacotes de café e garrafas de vinho. Segundo especialistas, a inspeção dos contêineres que chegam no porto belga é aleatória; apenas 2% são escaneados e verificados fora da área portuária, o que é considerado uma falha dupla de segurança.

Quadro de Rembrandt inspira operação policial

O prefeito da Antuérpia e líder do partido nacionalista flamengo NV-A, Bart de Wever, parece ter se inspirado no famoso quadro “A Ronda Noturna”, do pintor holandês Rembrandt, para batizar a megaoperação policial que começou na última sexta-feira (4) pelas ruas da cidade, e que vai durar ainda alguns meses. A Ronda de Rembrandt, pintada no século XVII, mostra uma corporação de guardas se preparando para uma batalha em defesa de Amsterdã. O personagem que mais se destaca na tela barroca é o capitão Frans Banninck Cocq dando ordens a um tenente sobre como seguir em frente.

Bart de Wever talvez tenha se imbuído do espírito do capitão retratado por Rembrandt quando anunciou com orgulho o início da maior operação de segurança realizada nos últimos 20 anos para salvar a Antuérpia dos entorpecentes. No entanto, a jornalista Muriel Lefèvre, do semanário belga “LeVif Express”, ressalta que “o anúncio é sobretudo uma operação de comunicação que tenta esconder a falta de resultado da famosa guerra contra as drogas, o cavalo de batalha de De Wever, desde o início de seu mandato”.

De acordo com a polícia municipal, a megaoperação “A Ronda Noturna” consiste em aumentar os controles de identidade, fazer patrulhas suplementares em bairros onde existe tráfico noturno com o uso de blindados e o fechamento de ruas de alto risco, se necessário. Desde 2017, foram notificados cerca de 66 ataques de granada e tiroteios em meio a acertos de contas entre gangues rivais de traficantes na cidade portuária. Raramente há feridos nesses incidentes.

A cocaína é a droga ilícita mais consumida na União Europeia. Barcelona, Zurique e Antuérpia são as cidades que lideram o consumo do pó no continente. Este trio das “campeãs” foi citado pelo Observatório Europeu da Droga e Dependências Químicas, que a cada ano divulga os resultados de um estudo que analisa as águas residuais de várias cidades para revelar os padrões de consumo de seus habitantes.