Cientistas encontram "cidades perdidas" de 2 mil anos na Amazônia

Do Terra

Uma equipe de arqueólogos descobriu um aglomerado de cidades perdidas na floresta amazônica, que abrigava pelo menos 10.000 habitantes há cerca de 2.000 anos. A pesquisa, publicada na revista Science, na quinta-feira (11) revela que o povoado, situado no sopé arborizado dos Andes, no Equador, durou cerca de 1.000 anos.

  • Os assentamentos foram ocupados pelo povo Upano entre cerca de 500 aC e 600 dC, um período aproximadamente contemporâneo ao Império Romano na Europa;
  • Edifícios residenciais e cerimoniais erguidos em mais de 6.000 montes de terra eram cercados por campos agrícolas com canais de drenagem.
  • As estradas tinham 10 metros de largura e se estendiam por 10 a 20 quilômetros.
Veja também:   Subir 5 lances de escada por dia já reduz o risco de doenças cardíacas

Cidades perdidas

Segundo arqueólogo Stéphen Rostain, que lidera as investigações no Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, “era um vale perdido de cidades”, disse.

A descoberta desafia a visão tradicional da Amazônia como uma região selvagem intocada, com apenas pequenos grupos de pessoas.

Os assentamentos foram ocupados pelo povo Upano entre cerca de 500 aC e 600 dC, um período aproximadamente contemporâneo ao Império Romano na Europa
Os assentamentos foram ocupados pelo povo Upano entre cerca de 500 aC e 600 dC, um período aproximadamente contemporâneo ao Império Romano na Europa

Foto: divulgação

Os cientistas também encontraram recentemente evidências de sociedades intrincadas na floresta tropical que antecederam o contato europeu em outras partes da Amazônia, incluindo a Bolívia e o Brasil.

“Sempre houve uma diversidade incrível de pessoas e assentamentos na Amazônia, e não apenas uma forma de viver”, disse Rostain. “Estamos apenas aprendendo mais sobre eles. ”

Os arqueólogos ainda estão trabalhando para entender como as cidades perdidas da Amazônia funcionam.

Eles acreditam que os Upanos eram agricultores sofisticados que cultivavam milho, mandioca e outros produtos. Eles também podem ter sido envolvidos no comércio com outras sociedades da região.

A pesquisa abre novas perspectivas para o estudo da história da Amazônia. Ela sugere que a região era mais complexa e desenvolvida do que foi planejada anteriormente.