Com medo de catástrofes, americanos estocam refeições com validade de até 30 anos

Do G1

As chamadas comidas de emergência já fazem parte da vida dos norte-americanos há décadas. É comum que as pessoas estoquem água e alimentos para casos de desastres naturais e outras catástrofes em que precisem ficar isolados por um longo período. Mas, agora, o conceito viralizou e virou trend nas redes sociais com o nome de “comidas do fim do mundo”. Nos vídeos mais populares, tiktokers mostram como são as refeições e experimentam os pratos, reagindo ao sabor e textura dos alimentos.

🤔O que são comidas do fim do mundo? Alimentos, geralmente em pó e vendidos dentro de baldes, que supostamente duram mais de 30 anos sem alteração no sabor ou na qualidade. Os produtos são vendidos pela internet, mas também são fáceis de encontrar em prateleiras de supermercados americanos. São vendidos normalmente na sessão de camping, com preços chegando até aos US$ 100 (cerca de R$ 500), dependendo da quantidade de refeições em cada balde.

Como funciona

A variedade dos kits à venda é grande. Dentro dos baldes, podem vir diversos tipos de refeições, para café da manhã, almoço e jantar. Até drinks e sobremesas estão no cardápio. Também existem as versões unitárias, com pratos como strogonoff, lasanha e macarrão. Tem até opção sem glúten, vegetariana, com menos açúcar e menos sódio.

Veja também:   Turistas ficam presos debaixo da terra após elevador quebrar

A maioria dessas comidas estão desidratadas ou até mesmo em pó. Para fazer os pratos, a indicação é colocar apenas um pouco de água, sem necessidade de aquecer ou de usar energia elétrica. A brasileira Gabriela Pereira mora na Califórnia há nove anos e já aderiu à cultura das comidas de fim do mundo.