Do Diario de Pernambuco 
A desaceleração industrial como resultado da pandemia da Covid-19 não impediu o aumento recorde nas concentrações de CO2, o gás de efeito estufa mais presente na atmosfera, disse a ONU nesta segunda-feira.
De acordo com o boletim anual da Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência da ONU, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera aumentou dramaticamente em 2019 e continuou em 2020.
“O declínio nas emissões atribuíveis aos aterros é apenas um pequeno ponto em uma tendência de longo prazo. Temos que achatar essa curva de forma duradoura”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.
A média anual em 2019 ultrapassou o limite de 410 partes por milhão, de acordo com o boletim da OMM.
Em 2020, período mais importante de paralisação das atividades econômicas, as emissões globais diárias de CO2 caíram 17%, segundo a mesma fonte.
Embora a gravidade e a duração das medidas de contenção futuras sejam incertas, a OMM considera difícil antecipar uma estimativa da redução anual das emissões para 2020, embora as calcule entre 4,2% e 7,5%.
No entanto, a redução não leva a uma diminuição na concentração de CO2 na atmosfera neste ano, pois as emissões passadas se acumulam com as atuais.
A concentração de CO2 continuará aumentando este ano, mas a um ritmo mais lento, sem ultrapassar as oscilações usuais no ciclo do carbono que são observadas a cada ano.