Da CNN Brasil

O debate entre Kamala Harris e Mike Pence na noite desta quarta-feira (7) foi marcado pela cordialidade entre os candidatos à vice-presidência dos Estados Unidos, diferente do clima acalorado entre Donald Trump e Joe Biden no debate da terça (29).

Esse foi o primeiro e único debate desta campanha entre os candidatos à vice. Kamala fez história ao subir ao palco, como a primeira mulher negra e de origem sul-asiática a participar de um debate da eleição geral.

A moderadora Susan Page ressaltou a importância do evento, uma vez que, quem quer que seja eleito, será o vice do presidente mais velho que os Estados Unidos já tiveram. Donald Trump terá 74 anos no dia da posse, Joe Biden, 78.

Ambos são potenciais candidatos à presidência para as eleições de 2024. Donald Trump não poderá concorrer a um terceiro mandato, enquanto Biden, ciente de que terá 82 anos no próximo pleito, já adiantou a possibilidade de não ser candidato à reeleição.

Apesar disso, o assunto da idade foi desviado por ambos os vices. Kamala apresentou seu currículo ao eleitor, que conta com conquistas como ser a primeira mulher negra a ser eleita à Advocacia-Geral do estado da Califórnia e a segunda a integrar o Senado americano. Já Pence não entrou no tema da idade ao comentar a resposta de Kamala no bloco anterior, sobre uma potencial vacina para a Covid-19.

Como não poderia deixar de ser, a Covid-19 e o atual mandato presidencial foram os grandes temas da noite.

Administração da pandemia

Kamala disse que o modo com que Trump lidou com a pandemia foi “o maior fracasso de qualquer mandato presidencial”, citando o número de casos e vítimas da doença nos Estados Unidos — país com a maior incidência do vírus em todo o mundo. A senadora continuou, dizendo que Trump fez dos trabalhadores essenciais “sacrifícios”.

Em sua resposta, Pence disse que ela deve conhecer o fracasso por conta de “plágio”. A frase é referência à campanha presidencial de 1988, na qual Joe Biden desistiu de ser pré-candidato após reconhecer ter usado frases de um político inglês sem atribuição.

Kamala também falou sobre uma potencial vacina para a doença, que, se fosse recomendada pelos especialistas, seria a primeira da fila para tomá-la. No entanto, se a recomendação fosse só de Trump, o cenário seria diferente. “Se Donald Trump nos dizer para tomar, eu não irei tomar”, afirmou.

Pence retrucou e disse à ela para “parar de fazer jogos políticos com a vida dos americanos”. “O fato de que você continua a minar a confiança pública em uma vacina, se uma vacina surgir durante o mandato Trump, eu acho que é inescrupuloso”, respondeu. Ele também disse que os Estados Unidos terão uma vacina eficaz contra o novo coronavírus até o fim deste ano.

Impacto sobre a economia

Da pandemia, os candidatos migraram para os impactos que a crise causada pelo novo coronavírus terá sobre a economia. Pence disse que, caso assumisse, a primeira medida de Biden seria reverter os cortes de impostos feitos pela administração dele.

“O plano de Joe Biden é tributar e gastar para fazer a economia voltar a crescer. Trump cortou os impostos de forma total”, disse o vice de Donald Trump.

Kamala negou a intenção de Biden de aumentar tributos no país. Pence insistiu que no debate de presidentes da última terça-feira, “Biden declarou que vai retirar as isenções de impostos”, disse, acrescentando que essa arrecadação iria para fomentar a educação.

No campo econômico, ela também criticou as disputas comerciais que os Estados Unidos travam com a China, afirmando que o país perde economicamente como reflexo desse enfrentamento.

“A guerra comercial com a China resultou na perda de mais de 300 mil empregos na área industrial”, disse a senadora. Em sua resposta, Mike Pence afirmou que Joe Biden está associado ao comunismo praticado no país asiático.

“Biden é torcedor da China comunista há décadas”, disse o atual vice-presidente, que reiterou o discurso do presidente Donald Trump de que a Covid-19 é culpa da China e que o país asiático deve “pagar” por isso.

Ainda no campo econômico, Kamala disse que o plano de Biden é trazer a “economia verde” como forma de gerar empregos.

Meio ambiente e ciência

A senadora democrata disse que, com Trump, a ciência americana perdeu lugar. “Com este governo, estamos indo para trás ao invés de avançarmos” afirmou.

“Nós vamos investir em energia renovável, é assim que criaremos milhões de empregos, nós vamos atingir zero emissão de carbono até 2050, neutralizar a emissão até 2035. Joe tem um plano.”

Mike Pence defendeu o compromisso do governo Trump com o meio ambiente, mas criticou a defesa feita pela chapa democrata por um retorno dos Estados Unidos ao Acordo de Paris, que tem com objetivo reduzir emissões de gases-estufa.

“Eu tenho orgulho do nosso histórico com preservação ambiental. Nosso solo e nosso ar estão mais limpos do que nunca”, disse o republicano.

A vaga na Suprema Corte

O vice de Trump também defendeu o evento da Casa Branca em 26 de setembro para confirmar a indicação de Amy Coney Barrett à Suprema Corte, após o qual ao menos 12 convidados anunciaram ter contraído o novo coronavírus.
“A verdade é que o trabalho do presidente dos Estados Unidos continua. Uma vaga foi desocupada na Suprema Corte dos Estados Unidos, e o presidente indicou a juíza Amy Coney Barrett”, disse.

Pence defendeu a indicação da juíza conservadora ao posto mais alto do judiciário norte-americano. “Trump e eu não poderíamos estar mais animados com a nomeação dela”, afirmou, acrescentando que talvez Kamala e Biden não compartilhassem desse entusiasmo por conta da fé cristã da magistrada.

A frase foi negada pela candidata democrata, que disse que tanto ela quanto o companheiro de chapa são pessoas de fé. Ela disse que o povo americano deveria ter a oportunidade de votar em quem quer que escolha o sucessor de Ruth Baden Ginsburg na Corte e, portanto, a indicação só deveria ser feita depois da eleição.

O vice de Trump disse que Harris e Biden tentariam “inflar” a Corte — prática proposta pelo presidente Franklin Roosevelt em 1937, que poderia ter expandido o número de juízes do tribunal de nove para 15. “Este é um caso clássico de, se você não vence seguindo as regras, você muda as regras”, disse.

Interrupções

Ao contrário do primeiro debate entre Trump e Biden, que foi marcado pelas interrupções dos candidatos e por um clima caótico, a moderação foi bastante rígida com os tempos de fala.

Pence foi um pouco mais ousado e continuou a falar por diversas vezes, mesmo com a moderadora Susan Page o alertando que seu tempo havia acabado. Ele também tentou falar sobre a adversária, que não admitiu interrupções.

“Senhor vice-presidente, eu estou falando”, afirmou Kamala, repetidamente.