Do Terra

Foto: Ketut Subiyanto/Pexels

Um desenho mostra uma militar ucraniana olhando pela mira telescópica de um rifle, flores vermelhas em formato de coroa adornam seus longos cabelos negros. Outro, mostra uma menina brincando em um balanço sob um sol a sorrir – uma cena alegre, não fosse pelos aviões russos de bombardeio em sobrevoo.

Artem e Anastasiia Bykovets deixaram a capital ucraniana Kiev quando as tropas russas invadiram a Ucrânia um mês atrás. Em sua jornada de 37 horas até o oeste do país, eles incentivaram sua filha de seis anos a desenhar o que pensava, iniciando a ideia para uma galeria online para crianças impactadas pela guerra.

Desde então, a conta no Instagram @uakids.today acumulou mais de mil seguidores e publicou dezenas de desenhos enviados por crianças envolvidas na guerra que tomou o país. Muitos outros foram publicados no website da galeria.

“Para eles é um grande milagre”, disse Artem à Reuters. “Como se você apenas fez um desenho para o papai ou a mamãe e depois você pode abrir um website e seu desenho está lá, entre os de centenas de outras crianças de toda a Ucrânia, e elas se sentem parte de uma comunidade maior.”

A Rússia enviou suas tropas para além das fronteiras ucranianas no dia 24 de fevereiro, no que chama de “operação militar especial” para desmilitarizar e “desnazificar” a Ucrânia. A Ucrânia e o Ocidente dizem que o presidente russo, Vladimir Putin, iniciou uma guerra não provocada com sua vizinha.

Cidades por toda a Ucrânia estão sitiadas e bombardeios reduziram algumas áreas residenciais a escombros. Centenas de civis foram mortos, de acordo com a ONU. A Rússia nega atacar civis.

A União Europeia calcula que cerca de metade dos 3,3 milhões de refugiados ucranianos que fugiram para países da UE são crianças.

Veja também:   Ex-ministro de Bolsonaro atuou como um 'bobo da corte' em ST