Cúpula do Brics expõe o complexo vínculo entre a África do Sul e a Rússia

Foto: Sergei Bobylyov/Sputnik/AFP

Folha de Pernambuco

cúpula dos Brics na África do Sul na próxima semana gerou controvérsias que pediram, apesar da ausência do presidente Vladimir Putin, a força dos vínculos entre a Rússia e a África do Sul, que remonta ao apoio soviético à luta contra o Apartheid.

O compromisso, que às vezes parece ir contra os interesses comerciais e diplomáticos da África do Sul, está sob intenso escrutínio desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022.

A África do Sul se absteve de condenar a intervenção, em uma atitude que chegou a ser interpretada como apoio a Moscou.

A longa espera sobre uma eventual presença de Putin junto aos principais líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics), alimentou as especulações.

Putin, alvo de um mandado de prisão internacional, decidiu finalmente permanecer no seu país, evitando criar um problema espinhoso para o seu homólogo sul-africano, Cyril Ramaphosa.

Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder na África do Sul desde 1994, forjou fortes laços com a extinta União Soviética durante décadas de luta contra o Apartheid, o sistema de segregação racial imposto pela minoria branca.

Veja também:   ST cai na mira do Tribunal de Contas entre as prefeituras irregulares com a LRF

“Pode-se dizer que a aliança é uma amizade construída com sangue… e balas”, explicou a analista política Sandile Swana.

Um casal atípico
O ANC e o partido de Putin, Rússia Unida, formam “um casal politicamente atípico”, afirma Steven Gruzd, do Instituto Sul-Africano de Relações Internacionais (SAIIA).

O primeiro, explica, pende para a esquerda e defende os direitos da comunidade LGBTIQ+, enquanto a Rússia Unida defende os valores nacionalistas e está muito ligado à Igreja Ortodoxa Russa.

Economicamente, essa relação parece ainda mais inexplicável e coloca a África do Sul sob forte pressão dos Estados Unidos e da União Europeia (UE).

Os Estados Unidos são o segundo maior parceiro comercial da África do Sul depois da China.

Acusações recentes de que a África do Sul entregou armas à Rússia, secretamente, levou o governo dos Estados Unidos a ameaçar o país africano com a exclusão de um importante pacto comercial, o que preocupou empresas e partidos da oposição.

Veja também:   Comerciante diz que praça de ST virou ponto de droga

O ANC denunciou uma tentativa de “intimidação”.

Para o cientista político William Gumede, é hora de Pretória reconhecer que sua lealdade a Moscou não lhe serve mais e se baseia em um “vínculo emocional”, ao qual não pode mais se “dar ao luxo”.

Em junho, Ramaphosa liderou uma missão de paz a Kiev que permitiu fortalecer sua postura de “neutralidade” neste conflito.

Ramaphosa conseguiu “falar diretamente” com os ucranianos e avaliar a situação por si mesmo, afirma Dzvinka Kachur, da Associação Ucraniana da África do Sul, que acredita que Moscou consegue manipular e construir sua imagem na África.

O dinheiro também conta
Para Putin, a África do Sul é a porta estratégica para um continente que se tornou um campo de batalha diplomático.

Alguns especialistas afirmam que a ligação Moscou-Pretória se desenvolveu em um contexto de afastamento do partido governista dos valores fundadores do país, citando, por exemplo, os escândalos de corrupção.

“O ANC claramente vê algo mais na Rússia de Putin, algo a que aspira”, escreveu Richard Poplak, colunista do Daily Maverick. “A Rússia é como um farol na colina, uma autocracia que brilha e ilumina o caminho para o governo eterno”, disse ele em um texto publicado em julho.

Veja também:   Temer avisa a aliados que escolheu Serraglio para Ministério da Justiça

O dinheiro também conta.

De acordo com Grudz, o ANC, sem dinheiro, poderia abordar Putin, na esperança de obter ajuda financeira.

No ano passado, o país recebeu mais de US$ 800 mil de uma mineradora ligada a uma magnata russa sob garantia dos Estados Unidos.

“O ANC se coloca do lado da Rússia pela única razão de que a financia”, embora, desse modo, Moscou esteja “se infiltrando e desestabilizando a democracia sul-africana”, disse o líder da oposição John Steenhuisen em maio.

Tokologo Ngoasheng, um dirigente do ANC em Joanesburgo, responde que o partido também recebeu doações de “empresários americanos”.

“Só é um problema quando são os russos que apoiam o ANC”, e isso “não é justo”, acrescentou.