dengueA vacina contra as doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta segunda-feira (28). A autorização, publicada no Diário Oficial da União, permite o fabricante Sanofi Pasteur a comercializar a vacina Dengvaxia contra quatro tipos da dengue (DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4). A vacina levou 20 anos para ser elaborada. Participaram dos testes mais de 40 mil pessoas pelo mundo de 15 países, incluindo o Brasil. O estudo sobre a eficácia do remédio foi publicado no The New England Journal of Medicine, em julho deste ano. O medicamento apresenta um índice de proteção de cerca de 66%.

Veja também:   Europa vai barrar a entrada de brasileiros enquanto pandemia não estiver controlada

Inicialmente, será disponibilizado para a rede particular de laboratórios. Definido o preço, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS vai avaliar se vale a pena incorporar o produto ao sistema público de imunizações. “Dengvaxia tem potencial de reduzir significativamente as enfermidades causadas pela dengue e ajudar o Brasil a alcançar as metas de redução da doença para 2020 da OMS”, disse, em nota, Guillaume Leroy, vice-presidente da divisão da Vacina da Dengue do laboratório Sanofi Pasteur. O grupo brasileiro teve a maior resposta aos testes, mas a média foi influenciada pelo grupo da Tailândia que não reagiu bem ao antídoto.

Veja também:   Caruaru registra 1090 roubos em três meses e população cobra providências

Nas pesquisas, constatou-se que a vacina preveniu a hospitalização em 80% dos casos e diminuiu em 93% a ocorrência da dengue hemorrágica. O Brasil registrou mais de 1,5 milhão de casos de dengue até o final de novembro, com mais de 800 mortes. A vacina é produzida em uma fábrica em Lyon, na França, com capacidade de desenvolver 100 milhões de doses por ano. As áreas endêmicas terão prioridade.

(Do Diario de Pernambuco)