"Ela me constrangeu, deitei na maca e comecei a chorar", diz jovem agredida por esposa de médico

Do Diario de PE

“Começou a me constranger, deitei na maca e comecei a chorar”, disse a jovem de 20 anos agredida pela esposa de um médico durante um exame ginecológico. Amanda Oliveira utilizou o Instagram para atualizar os seguidores sobre o caso. A situação ocorreu nesta segunda-feira (31), na clínica LP Saúde do bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes.
A paciente se pronunciou nos stories e disse que estava fazendo um retorno à clínica, após ter realizado um exame com o mesmo médico 15 dias antes. Amanda explicou que não possui nenhum contato com o profissional e que a clínica exige que o médico esteja acompanhado por uma mulher para realizar os exames ginecológicos. No ambiente, estavam o médico, a paciente, uma auxiliar e esposa do médico.
A vítima das agressões explicou que a clínica não disponibiliza batas para as pacientes. De acordo com Amanda, a esposa do médico que iria atendê-la começou a constrangê-la pelo fato dela ter ido de calça para a consulta.
“Quando fui tirar minha calça [para o exame], essa mulher começou a me constranger dizendo que não era pra eu estar de calça e que eu poderia ter ido de saia e que eu não tinha modos. Começou a me constranger de uma forma inexplicável. Eu deitei na maca e comecei a chorar muito porque ela conseguiu me intimidar”, explica a vítima.
A paciente também explica que a esposa do médico puxou o transdutor que estava inserido na vítima. O aparelho é uma espécie de sonda, que serve para avaliar os órgãos reprodutores internamente. “A partir daí eu vi que estava ficando sério e comecei a gravar. Por isso, o vídeo mostra que ela já está alterada e que já estou falando coisas com ela também, pelo fato de que ela já tinha feito isso comigo. Minha reação foi filmar porque eu vi que poderia acontecer coisas muito piores”, afirma Amanda.
Segundo a paciente, a recepcionista da clínica entrou na sala de consulta para tentar acalmar a esposa do médico que atua na clínica, mas que não conseguiu tranquilizá-la. Após o ocorrido, Amanda registrou um Boletim de Ocorrência.
Clínica emite nota de esclarecimento
Clínica LP Saúde se posicionou sobre o caso através de uma nota divulgada nas redes sociais. No texto, a clínica afirma que sempre preza pelo bem-estar dos pacientes e pediu desculpas publicamente à vítima das agressões.
A unidade esclarece que “não compactua com nenhum ato de violência, seja física ou verbal, e repudia veementemente as agressões cometidas”.
Ainda de acordo com o texto, a clínica prestou assistência à paciente e ressaltou que não possui ligação com a autora das agressões. “O profissional responsável pelo atendimento já foi devidamente afastado e a segurança no local foi reforçada”, completa a nota.
Por fim, a clínica disse estar à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários e “compromete-se a auxiliar a paciente a promover a responsabilização cível, criminal e ética dos envolvidos”.
O Diario de Pernambuco entrou em contato com a vítima, mas até o fechamento desta matéria não houve retorno.
Veja também:   Integrantes de bloco de ST trocam farpas após matéria do Farol