Publicado às 16h30 desta segunda (4)

Docentes cruzaram os braços nesta segunda-feira (4) na rede municipal em respeito ao estado de greve deflagrado pelo Sintest (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Serra Talhada), em prol do reajuste de 33,24% do piso salarial.

Em conversa com o Farol, por telefone, o presidente do sindicato, Júnior Moraes (foto), contabilizou que a mobilização afeta 487 professores efetivos filiados ao Sintest. A reivindicação também envolve cerca de 400 aposentados da educação, 57 auxiliares de creche, 303 auxiliares de serviços gerais, 56 agentes administrativos e três motoristas.

“Na verdade a expectativa da gente é sempre a melhor [quanto à negociação com o governo]. A gestão municipal em momento algum disse que não iria dar o piso. Eles estão tentando negociar com a gente a forma mais barata e interessante para própria gestão, para não comprometer tanto a receita do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento de Educação Básica). A expectativa dessa semana é boa, é positiva. O município também em nenhum momento fechou as portas e a gente ainda está negociando. A gente tem a paralisação hoje, quarta e sexta”,

“Possivelmente teremos uma assembleia nessa quarta-feira (6). Eu vou voltar a me reunir com a direção[do Sintest] para ver os números novamente e tentar fazer uma proposta para na quarta-feira a gente apresentar na Assembleia. Na verdade o município não fechou as portas, eles apresentaram as propostas para a gente mas disseram que estavam abertos para negociação. O governo se mantém com as portas abertas em discussão, então a gente vai avaliar qual a proposta a gente pode encaminhar para eles”.

FIQUE POR DENTRO DO CASO

Sintest: Estado greve após negociação com Márcia dar errado

Veja também:   Mensagem de massacre em escola do Pajeú é descoberta