Encontro de movimentos sociais debate conjuntura de 2024 em ST

Fotos cedidas ao Farol de Notícias

Na noite desta última quarta-feira (22), representantes de movimentos sociais se reuniram na sede Fundação de Cultural Cabras de Lampião para discutir e avaliar os cenários políticos para 2024. O intuito do grupo é de rejeitar a prática do assistencialismo e propor um debate propositivo resgatando bandeiras históricas do campo da esquerda.

No foco da discussão, tem-se colocado o combate à violência contra as mulheres, para que elas tenham direito aos mesmos espaços administrativos, sociais e políticos garantidos aos homens. Além disso, foi debatido o apoio à luta contra o preconceito e a violência contra LGBTQIA+, à reforma agrária e urbana e à valorização da cultura popular.

Veja também:   Comerciantes de ST são prejudicados porque Correios está sem internet

Também foram debatidas formas de incentivo à política de geração do primeiro emprego que atenda a nossa juventude, contra corte de verbas nas universidades públicas, valorização dos professores das redes municipais, estaduais, federais e privadas. O combate ao racismo e pela preservação do bioma caatinga e de nosso patrimônio arquitetônico.

O debate contou com as presenças de representantes do MST, servidores públicos, professores, ativistas culturais e do movimento político, e representantes do SINDUFERPE (Sindicato dos Professores da Universidade Rural de Pernambuco).

Segundo o professor Paulo César Gomes, um dos encaminhamentos do encontro é a elaboração de um Manifesto Político Público, que será o instrumento que representará a voz deste movimento.

Veja também:   Mãe de bebê recém nascido atravessa bairros em busca de água em ST

“Vamos através da redes sociais propor que a pauta das minorias sejam incluídas no debate eleitoral, que o debate seja travado em alto nível e que sejam garantidos os espaços para os pré-candidatos a vereadores e vereadoras. Tenham as mesmas condições daqueles que ano a ano se perpetuam na Câmara de Vereadores com base no assistencialismo, sem que ao longo do tempo pelo menos apresentem propostas. Projetos de lei que ajudem a população e ao crescimento da cidade”, concluiu o professor, um dos presentes na reunião.

Veja também:   Crianças ficam presas em cadeira de roda-gigante