bergueFotos: Alejandro Garcia / Farol

A redação do FAROL recebeu na última quinta-feira (16) a visita do secretário de Governo, Josembergues Melo, que abriu, pela primeira vez, o seu coração para um órgão de imprensa de Serra Talhada. ‘Bergue’, como é mais conhecido, é considerado o principal conselheiro do prefeito Luciano Duque. Um secretário que costuma agir nos bastidores na defesa do governo petista. Confira a entrevista na íntegra.

FAROL: Inicialmente gostaríamos de agradecer a sua visita a redação do Farol e que explicasse aos nossos leitores qual é o papel do secretário Josembergues Melo no governo Luciano Duque?

Josembergues Melo: Bom dia, agradeço o convite para essa entrevista nesse grande portal do Sertão, de notícias. É a primeira vez que eu venho aqui no QG do FAROL DE NOTÍCIAS. E o papel da secretaria de governo é um papel de articulação, uma articulação institucional, tanto para dentro, quanto para fora. Para dentro, e gosto de dizer que é a articulação com as outras secretarias, preparar os atos do prefeito; conversar com outros secretários que queiram por em prática alguns projetos, alguns programas. É a discussão de vários temas dentro da gestão pública municipal como um todo.

É uma secretaria de suporte, suporte de dar apoio técnico, um apoio. Um suporte também pela razoável experiência que nós temos na gestão pública, já estamos há certo tempo na Prefeitura Municipal de Serra Talhada. E para fora com uma relação institucional com os órgãos de controle externo como o Ministério Público Federal. Estadual, como o Tribunal de Contas do Estado e, principalmente, com a Câmara Municipal. Que é onde a gente desempenha outro grande papel, na minha opinião, é o principal pilar da secretaria. Juntamente com a articulação administrativa da gestão pública em si, que é a relação com a Câmara de Vereadores.

Não só uma articulação do ponto de vista político, ter tem, também tem. Uma articulação de defender, de explicar, prestar contas aos vereadores de todos os projetos que tramitam naquela casa. Qualquer tipo de informação, esclarecimento e outros pontos da gestão. Não necessariamente o que lá tramita. Mas a gente tem também esse papel de intercâmbio com o poder Legislativo do município.

bergue 2

FAROL: O senhor acha que está fazendo um papel de excelência dentro do governo? O que destacaria de avanços nesses dois anos de administração de Luciano Duque?

J.M.: Veja só, a secretaria de Governo em si é uma secretaria mais burocrática, é uma pasta administrativa. Em si ela não tem obras e não presta serviços como as outras secretarias. Saúde presta um serviço de saúde, secretaria de Obras e Infraestrutura e a de Serviços Públicos fazem ações de obras e outros serviços. A nossa é uma de articulação, no ponto de vista de gestão, da gestão Luciano Duque, eu vejo como muito positiva a gestão do prefeito. Porque é um prefeito que é uma pessoa, que eu pessoalmente enxergo nele um político de muito boa índole, que está onde queria estar, queria ser prefeito de Serra Talhada.

Ele trabalha com alegria, trabalha com felicidade, é uma pessoa que trabalha empolgada com o cargo que possui. É um ser humano maravilhoso, e eu gosto de enxergar as pessoa independente do político e ver a índole dele, e é uma índole que eu acredito, eu vejo muito por esse lado também. E do ponto de vista da gestão, vejo como um grande batalhador, um grande lutador, que começa a trabalhar de seis e meia e vai até as dez. Ontem mesmo, eu sai da prefeitura ia dar sete horas e ele ainda estava lá, à noite na prefeitura trabalhando. E vejo como uma das grandes ações dele, nesses dois anos, efetivamente, como ele já colocou. Não é novidade para ninguém, ele colocou uma situação de dificuldade, dificuldades financeiras por qual a Prefeitura de Serra Talhada passou. Mas passada essa primeira fase de ajuste fiscal, de controle dos gastos públicos, das receitas, eu vejo como a gente plantou nesse primeiro momento e agora vamos colher.

Por exemplo, essa última série de entregas que o prefeito vem fazendo, nos últimos 20 dias, 30 dias. Entregamos a reforma do posto de saúde de Caiçarinha; nós já entregamos o Centro de Referência de Atendimento à Mulher, o CRAM; nós entregamos agora seis veículos à secretaria de Desenvolvimento Social; nós fizemos o sorteio de 195 casas do programa Minha Casa Minha Vida e logo num outro momento mais de 500 casas. Eu acho que o maior programa popular de habitação, coisa que Serra Talhada nunca antes tinha experimentado uma política pública dessas, voltada para as pessoas que precisam. E logo mais naquilo que eu acho de mais sagrado que é a habitação, é o teto, é o lar

Eu acho que lar e emprego é o que mais o poder público pode mais investir, é nessas duas áreas. E a prefeitura como um indutor de desenvolvimento, de trazer felicidade para as pessoas está apostando nessa política de habitação. Mas continuando, nós entregamos também, recentemente, a inauguração dos canteiros de praça da Ademar Xavier e do binário lá, na entrada do Ipsep. Hoje (sexta-feira) estaremos entregando a rua Maria  Raimunda, lá no bairro, popular mente conhecido como o universitário.  Próximo à Celpe, na estrada que liga Serra Talhada a Triunfo. Uma avenida estratégica, não só estratégica por causa do tamanho, que é meio quilômetro a rua. Mas é estratégica porque ali é uma ligação de uma PE com uma BR, que é a BR que liga à Universidade Federal Rural.

Veja também:   Bandidos arrombam posto do Bradesco no Pajeú

Então, é uma via pública que vai desafogar e faz ligação de bairros, ou seja, ela em si é importante pelo seu tamanho, que é uma obra mais difícil pelo comprimento, mas por esse aspecto de mobilidade urbana. Também já está agendada a entrega da quadra poliesportiva Luiza Kerhle, que vai ampliar a prática esportiva dos adolescentes.

FAROL: Tem data para entrega da quadra poliesportiva Luiza Kerhle?

J.M.: A data? A quadra já está praticamente pronta, o interesse do prefeito é fazer a inauguração dela com algum ato, com algum campeonato, com algum jogo inaugural, alguma coisa desse tipo. A gente está articulando para ver qual é o melhor modelo para fazer a entrega desse importante equipamento. Também temos, em vias de entrega, a praça da Academia da Saúde, no Mutirão, que também está praticamente pronta, só precisa fazer poucos ajuste. Ou seja, vai ser uma praça que além de ter uma área de lazer, de recreação para a comunidade do bairro do Mutirão.

E o que se vê muito na imprensa, a gente percebe que é um bairro que os políticos não têm um olhar especial por lá, já a gestão de Luciano, pelo contrário, tem muito que apresentar lá. Não é a toa que já implantou uma escola de ensino integral, já reformou o famoso Sopão de lá, o pessoal conhece mais como Sopão. Está entregando a praça da Academia da Saúde e vai pavimentar algumas vias daquela localidade.

bergue 3

FAROL: O senhor é considerado da relação doméstica do prefeito Luciano Duque. É verdade que costuma dar conselhos ao prefeito? na maioria das vezes ele escuta ou não?

J.M.: Veja só, quem sou eu para dar conselhos ao prefeito Luciano Duque? Se tem uma pessoa que já tem certa, certa não, uma grande experiência política de vivência prática. Desde a adolescência ele milita no campo político, já foi vice-prefeito, agora é prefeito. O que eu posso, a minha participação é mais de colaboração quando ele pede a nossa opinião em alguns pontos, principalmente na área técnica e também nas questões políticas. É evidente que qualquer ser humano, antes de tudo nós somos seres humanos, e temos pontos de vista, em algumas questões, diferentes. Tem coisas que ele concorda e tem coisas que ele discorda. Da mesma forma que, seria isso em qualquer relação, independentemente de política.

Mas eu acredito que o governo dele está no caminho certo, muito certo. A população vai se surpreender. E outra coisa que eu gostaria de lembrar, que agora, nesses próximos 10 dias no máximo, já será a primeira parte da melhoria do trânsito da cidade. Já está havendo a sinalização semafórica, a sinalização vertical e horizontal, a mudança de sentido de algumas vias aqui no centro da cidade e logo em breve, mas um pouco mais à frente, é a implantação da Zona Azul e a municipalização. Quanto a municipalização, a gente já deu entrada em toda a papelada para que a gente venha ter o reconhecimento dos órgãos de trânsito nacional e estadual.

FAROL: O prefeito, recentemente, atribuiu uma nota 5 ao seu governo. Que nota o senhor daria ao governo do prefeito Luciano Duque?

J.M.: Sem sombra de dúvidas, 8. Porque a gente que está dentro da máquina administrativa, nós sabemos quais são as dificuldades que foram enfrentadas. A população tem que ter a percepção que hoje, politicamente falando, o prefeito Luciano Duque tem um alinhamento com o governo federal. Por outro lado, esse alinhamento com o governo federal, por mais que exista um bom trânsito perante a gestão da presidenta Dilma Rousseff, a população também tem que ter a percepção de que a burocracia também é maior. Ou seja, desde e um cadastro, a aprovação de um projeto, desde a liberação das verbas, e principalmente quando passa pela Caixa Econômica Federal, há um trâmite burocrático muito lento. Eu digo sem medo de errar que tem certas situações que a gente começa do projeto ao início da execução de uma obra pode se chegar até um ano.

As verbas federais são necessárias para um município, mas também tem essa preocupação da lentidão, diante do governo federal cuida do País como um todo, não cuida somente de Serra Talhada e não só dos municípios de Pernambuco. Mas o que já se conseguiu de capitais, de recursos para Serra Talhada são quantias históricas. Podemos ter de emendas, só do deputado Pedro Eugênio nós conseguimos 7 milhões, e do depurado João Paulo conseguimos 8 milhões. Fora outros deputados que vêm ajudando a nossa terra, Gonzaga Patriota, o próprio Armando Monteiro também que vem canalizando e, principalmente, o senador Humberto Costa.

Em minha opinião, ele (Humberto Costa) tem sido um grande patrono de Serra Talhada, tem viabilizado a conquista de vários recursos.Agora, à medida que se conquista, a gente sabe da dificuldade de consegui-los, principalmente aquilo que vem via Caixa Econômica. Tenho certeza, não vou dizer 100%, mas que 80 a 90% do que já foi anunciado em praça pública vai ser entregue a população satisfatoriamente.

bergue 4

FAROL: O prefeito já anunciou que vai fazer uma reforma administrativa no secretariado. Sem querer que decline nomes, eu sei que não pode, mas terá uma grande reforma no secretariado ou será uma ação tímida?

Veja também:   Trator danifica 8 km da PE-414, em Serra Talhada, e revolta professora

J.M.: Não, sobre esse assunto eu não tenho conversado com o prefeito. Ele tem mergulhado na gestão, de fato ele anunciou. Eu particularmente acredito que, é uma opinião pessoal minha não é opinião de governo muito menos o que eu escutei do prefeito. E eu acho que o prefeito vai fazer ajustes pontuais. Pode ser que esses ajustes pontuais venham a atingir algumas secretarias ou mais ou menos. São questões pontuais.

FAROL: Eu queria que nós lançássemos o olhar para a campanha de 2016. Serra Talhada tem esse diferencial de antecipar muito as coisas, principalmente o processo político. O senhor é uma das pessoas que defende uma conversa com o grupo de Sebastião Oliveira? 

J.M.: Eu acredito que qualquer diálogo político, com qualquer político da nossa terra venha a somar, a trazer investimentos, a realização de obras e de investimentos para Serra Talhada é válido. Qualquer político que queira firmar uma parceria com o prefeito Luciano Duque, ela é sempre muito bem vinda, especialmente no campo político, como você colocou. De fato a campanha de 2016, ela está em ebulição em Serra Talhada. De forma até um pouco antecipada, mas faz parte da disputa política, a gente tem que ver que na história mais recente, política de Serra Talhada, eu faço uma leitura que o prefeito Luciano, é um prefeito que mais tem oposição, na história recente.

Estão todos contra ele. Eu estou falando do campo político eleitoral. Você pode ver que todas as forças políticas em Serra Talhada, elas vêm no campo de oposição ao prefeito Luciano e isso gera uma antecipação dos fatos políticos, porque cada um quer se apresentar como o novo, como a mudança e todos eles já tiveram a oportunidade de governar Serra Talhada. Por outro, o prefeito vem sendo bombardeado de críticas, de ataques, justamente por isso. Porque o cenário já está batendo na porta, então, nessa antecipação o prefeito vem sofrendo várias críticas de cunho político. Eu acho muitas delas até injustas, mas olhando pelo lado político, em tese eles estão fazendo o papel de tentar conquistar espaço.

Mas voltando a pergunta da aliança com Sebastião, assim como também com o deputado Augusto César, eu particularmente, não vejo problema nenhum. O prefeito Luciano Duque não olha para o retrovisor, ele não faz política olhando para o retrovisor. Ele faz política pensando no futuro da cidade, não tem vaidades pessoais. O que ele quer é fazer qualquer ação política que venha a somar, a contribuir para que a nossa terra venha a se desenvolver mais ainda.

FAROL: O senhor trabalhou 8 anos dentro do governo na gestão do ex-prefeito, Carlos Evandro, continua agora na gestão há brecha para uma reaproximação entre Duque e Evandro. O senhor se proporia a fazer esse tratado de paz entre os dois?

J.M.: Veja só, essa pergunta eu poderia respondê-la se eu tivesse dado a entrevista ontem. Ontem o ex-prefeito Carlos Evandro declarou em duas entrevistas que poderia fazer alianças com diversos políticos em Serra Talhada, exceto com Luciano Duque. Então, essa pergunta, na minha opinião, o próprio Carlos Evandro já respondeu. Partindo dele, a partir dessa resposta que ele deu, eu acho um pouco difícil. Diante da resposta que ele deu.

FAROL: Pelo andar da carruagem, só para fechar, o senhor vislumbra uma ‘campanha todos contra um’ para o ano que vem?

J.M.: No cenário atual sim, podemos dizer que sim, mas como a política é muito dinâmica. Dizem que a política é como as nuvens, um dia está de uma forma outro dia está de outra forma, a gente não pode fazer prognósticos, nem previsões políticas. Porque até as previsões climáticas são incertas e há certa ciência de se prever alguns acontecimentos climáticos. Mas na política é mais incerto ainda. Hoje eu posso responder que sim, seria uma política de todos contra um, mas amanhã essa pergunta pode mudar facilmente.

FAROL: Queríamos agradecer a sua visita ao Farol e deixa-lo à vontade para suas considerações finais.

J.M.: Primeiramente, agradecer novamente o convite de participar dessa entrevista com Farol de Notícias. Agradecer a você Giovanni Sá parabenizá-lo pelo trabalho que vem desenvolvendo, porque a imprensa também tem um papel de interesse social. A imprensa, sobretudo, presta um serviço relevante à sociedade. Queria parabenizar o Farol, que muitas coisas, às vezes, a gente do governo só vem saber de algumas demandas pela imprensa. Por incrível que pareça, a gente só vem saber pela imprensa e a imprensa em Serra Talhada tem colaborado nesse sentido. Às vezes acontece de, um exemplo, um cano estourou.

Com a agilidade que a imprensa tem, isso em vários veículos de imprensa na cidade, noticia o fato e a gente assim que possível, e em algumas situações até de imediato algumas secretarias chegam ao local para justamente corrigir aquele problema que está acontecendo, que está afligindo a população.  No mais, gostaria de transmitir aos leitores do Farol, carinhosamente chamados de faroleiros, que tenham certeza que o governo de Luciano Duque vai entregar todas as ações que ele vem anunciando na imprensa, nas rádios, nos blogs e todo o planejamento, toda a plantação já foi feita e o momento é de colher. Hoje estaremos colhendo uma grande avenida aqui em Serra Talhada.